quinta-feira, 4 de outubro de 2012

da luta contra a austeridade da Europa Central...




caríssima(o),

sem qualquer desprimor e sentido de indelicada rudeza para contigo, que me visitas com regularidade e também tens um espaço de discussão pública como os demais, nesse "maravilhoso mundo que é a bluegosfera"®, o caríssimo Jorge, administrador do "Porta 19", em "Baías e Baronis: FCP vs. PSG", explanou na (sua) perfeição o sentimento que também eu sinto quando vou ao meu teatro de sonhos - mas independentemente do jogo em causa. é que, para as competições europeias, o último encontro que assisti «ao vivo e a cores» foi aquele contra o Sevilha, já lá vão 19 meses.
adiante...


por diversos motivos e variadíssimas ordens de factores que não deverão ser contempladas neste escrito, assisti ao jogo de ontem, ante os todo-poderosos dos "árabes" do Paris Saint-Germain, no aeroporto Francisco Sá Carneiro, (muito bem) ladeado por passageiros em trânsito. e todos eles portistas dos quatro costados - no sentido em que manifestavam o seu apoio incondicional para com a nossa equipa do coração "para dentro", por exemplo, não a assobiando ao primeiro passe errado, antes pelo contrário.

porque redijo este texto a "horas impróprias", dado que tudo já foi devidamente escalpelizado por quem de direito, e sem pretender ser maçudo e demasiado chato, eis o que retive do encontro de ontem:

1.

bom entrosamento entre os sectores da equipa, com competência e rigor na posse de bola, alicerçada numa precisão e segurança nos passes efectuados.
(exceptuando aquela "assistência" do Helton ao "Ibrahi-toKo-mović"®, logo aos 10', com o golo iminente deste último a ser desviado com o olhar (in)seguro daquele)

2.

assertividade na procura do golo - o qual sempre acreditei que apareceria, desde o primeiro minuto de jogo -, com algumas boas (quase fabulosas) variações de flanco sempre que os "árabes" parisienses basculavam as suas linhas defensivas, e impulsionados por um público que foi indiscutivelmente o décimo segundo jogador.

3.

excelente 'pressing' sobre o primeiro transportador de bola dos milhionários "árabes" do PSG, o qual muitas vezes principiava à saída da grande área destes - o qual reflecte o (também) bom jogo defensivo da equipa portista.
(e como já sentia falta deste rigor defensivo...)

4.

ressalvo uma nota individual num colectivo que me encheu as medidas e surpreendeu pela positiva, para perguntar:
quantos anos joga Alex Sandro no nosso clube do coração?
tempo excelente 'pressing' sobre o primeiro transportador de bola dos milhionários "árabes" do PSG, o qual muitas vezes principiava à saída da grande área destes - o qual reflecte o (também) bom jogo defensivo da equipa portista.
(e como já sentia falta deste rigor defensivo...)

5.

numa exibição com muita personalidade - apesar de alguns momentos de menos clarividência entre os 65' e os 75' (altura em que a equipa foi refrescada com as entradas de Atsu e Defour) - há que dar mérito a quem de direito: Vítor Pereira de seu nome.
quer se queira (poucos), quer muito boa gente não queira, é ele o treinador principal da nossa equipa do coração. e é ele o primeiro responsável pelos seus inêxitos, sendo imediatamente julgado por tal. e é a ele que também se lhe devem pedir (boas) meças quando a equipa vence e fá-lo de forma concludente, como no jogo de ontem.
portanto, é com (muito) agrado e com um sorriso nos lábios que também comungo das seguintes palavras, explanadas pelo caríssimo Vila Pouca, no "dragão até à morte", em "uma exibição quase perfeita":

«

Uma palavra para o Mister.

 
Se, frente a uma grande equipa como é o PSG, o FC Porto joga de uma maneira que, em alguns períodos, chegou a ser brilhante - com uma exibição alicerçada num colectivo notável e numa organização quase perfeita, sem esquecer um grande trabalho de conhecimento sobre o forte adversário -, o seu treinador merece os meus parabéns. 
Mais: deveria merecer o respeito (de todos, acrescento eu) e não ser só o bombo da festa quando as coisas correm menos bem.

»

por último, são 13h15m de 04 de Outubro e o Barça ainda mantém a posse de bola em pleno ex-estádio da Lucy, ante o bombo da festa do 5lb, que se limita a ser o cocainómano de serviço
(no sentido em que só se limita a "cheirar" a redondinha)


somos Porto!, car@go! 
«este é o nosso destino»:  
«a vencer desde 1893»! | winning since 1893!


beijinhos e abraços (ainda aniversariantes e sempre muito portistas)!
e Muito Obrigado! pela tua visita :)


5 comentários:

  1. É tão bom ter um James, é tão bom ter um ambiente assim, é tão bom ter um clube assim.É como a canção,"é tão bom ter um amigo",e o nosso clube tem tudo isso.
    Abraço
    manuel moutinho

    ResponderEliminar
  2. Boas,
    É verdade que não se perspectivava um jogo fácil, mas como dentro do campo não jogam os milhões, o FC Porto mostrou que no futebol não são só os clubes ricos que jogam bem. E, mesmo sabendo que do outro lado estava uma equipa em que foi investido muitos milhões que estão à espera de serem justificados, o FC Porto não teve receio e entrou a jogar à porto, neutralizando os franceses. Gostei do jogo, o FC Porto, principalmente no primeiro tempo, praticou um futebol muito agradável, ficou, apenas, a faltar o golo que acabou por chegar quase no final do encontro. Diria que ficou a saber a pouco… Não queria individualizar, mas James, pelo golo que marcou, merece o meu destaque. Ainda que, mais uma vez, a exibição, para mim, tenha valido pelo colectivo. Os milhões não jogam futebol. Isto nós já sabíamos, mas ficou, mais uma vez, provado. E já cá cantam seis pontos e a liderança no grupo A. Ainda é cedo para fazer contas, mas são, sem dúvida, pontos importantíssimos.


    Cumprimentos

    Ana Andrade

    www.portistaacemporcento.blogspot.com
    www.artigosonlineanaandrade.blogspot.com



    ResponderEliminar
  3. Michael, esse ultimo parágrafo é muito bom, mas tens que corrigir, porque na 2ª parte nem a cheiraram... Quanto ao VP, tudo certo. Esteve muito bem e merece os elogios que se façam. Não entendo é agora esta necessidade da bluegosfera em peso querer dividir os portistas em duas classes: os genuínos e os anti-treinador... cumprimentos Figueirenses.

    ResponderEliminar
  4. caríssima Ana, caríssimos,

    obrigado! pela vossa visita e pelas vossas palavras!

    no jogo em apreço, fomos Porto!, car@go!
    «este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

    abr@ços a «ambos os três» :D
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  5. @ doctor J.

    meu caro,

    é como já o afirmei antes:

    «
    eu, que já estive "do outro lado da barricada" e me apercebi que a minha "cruzada" em nada contribuiria para que o meu desejo de então se concretizasse (pois o Poder não reside em nós, adeptos), sequer para a tão desejada União em torno da Equipa, aconselho, no alto dos meus trinta e seis anos de idade, a que nos concentremos na defesa intransigente dos interesses do Clube ante os nossos rivais e deixemos aquelas divergências de parte. afinal e como já o referi, as decisões mais importante não passarão por nós. e quem preside os destinos do Clube há trinta anos merece, senão o nosso crédito, ao menos o nosso benefício de dúvida.
    »


    abr@ço
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar

vocifera | comenta | sugere
(sendo que, num blogue de 'um portista indefectível', obviamente que esta caixa é destinada preferencialmente a 'portistas dos quatro costados'. e até é certo que o "lápis", quando existe, é azul.)

Show Emoticons