quinta-feira, 24 de Abril de 2014

a propósito da "ex-taça da bjeKa"®


© google
(clicar na imagem para ampliar)


«

[...] Não fiques triste, morcãozola! A Taça da Liga (que entretanto passou a ser um troféu muito importante para vocês) está ao vosso alcance. 
Que p*t@ de ironia!

»



caríssima(o),

este foi um dos mais singelos "comentários" que recebi neste espaço de discussão que se encontra total e integralmente interdito a lampiões e a calimeros - essa espécie de adepto que, em vez de comemorar os feitos da agremiação por que sofre, em sede e em local próprios, deliberada, consciente e invariavelmente opta por debitar, nesse "maravilhoso mundo que é a bluegosfera, as inverdades de que foi alvo, por parte da prestimosa Comunicação Social lusa, nessa lavagem cerebral colectiva que (per)dura desde Abril de 1982 (pelo menos). 
de referir que as alarvidades que habitualmente debitam ad nauseam, repetindo-as até à exaustão [pleonasmo propositado], à "boa maneira" da propaganda Goebbeliana, vêm sempre acompanhadas dos desejos de "muitas felicidades" da praxe - uma atitude que só demonstra como, até nas vitórias, eles se comportam com (in)decência. é que, para lá da Educação e das boas maneiras, do Respeito e da Civilidade, saber ter o desportivismo de saber ganhar, honrando o adversário, não está ao alcance de todos... adiante.


escolhi aquele comentário para deixar bem vincada a minha posição acerca desta temática da "ex-taça da bjeKa, a qual é concordante e coincidente com muitas opiniões que já li por esse "maravilhoso mundo que é a bluegosfera, inclusive nas suas caixas de comentários. 
ei-la, então:
a eventual passagem à final e posterior conquista da "fruteira" em causa, não vai salvar a face da presente época desportiva, a qual foi, se não a pior, seguramente uma das piores dos últimos quinze anos.

mais:


depois da autêntica palhaçada em torno da questão do «dolo» e da dificuldade em prová-lo, e mesmo sendo uma meia-final ante o eterno rival, em nossa casa, e como já o referi oportunamente, se tivesse poder para tal, esta a minha equipa titular:

Kadú; Víctor García, Reyes, Tiago Ferreira, Rafa; Mikel, Pedro Moreira, Tozé; Kelvin, Kayambe, Gonçalo Paciência.

suplentes: Igor Stefanović, Quiñones, Maicon, Tomás Podstawski, Ivo, Ricardo, André Silva.


o outro motivo principal, para lá da revolta que se (pres)sente, seria o de conceder preciosos minutos de competição, "ao mais alto nível", ante o eterno arqui-rival, em pleno teatro de sonhos azuis-e-brancos, a jovens promissores que há muito clamam por uma oportunidade na equipa principal.

 terceiro motivo principal é este:


© google
(clicar na imagem para ampliar)



"disse!"



quarta-feira, 23 de Abril de 2014

«digam: "33"». mas será mesmo assim?


© fotos da curva | Tomo II


caríssima(o),

antes de tudo, convém lembrar que foi há precisamente trinta e dois anos que o nosso querido líder fez questão de «tomar a posse» como o trigésimo sétimo presidente do nosso clube do coração.
e, neste entretanto de mais de três décadas, tornou-se no Presidente mais ganhador a nível mundial e certamente no mais carismático a nível nacional.
e, esta é uma realidade que convém recordar e enfatizar, mormente numa altura em que o nome do FC Porto é achincalhado na praça pública (também) por tudo que é sabujo da Comunicação Social, e em que "tudo" é questionado em relação àquela hegemonia que perdura e que tanto incomoda muito "boa gente".

acontece que infelizmente, no Presente, nem tudo «são rosas, senhor», nem tudo são rosas, e há muitos "espinhos" que convém serem cortados, para que esta época desportiva não se repita nos tempos mais próximos.
não nego o que, para mim, têm sido as duas últimas semanas - mormente depois do descalabro de Sevilha: um autêntico suplício, o qual se tem vindo a agravar tormentosamente a cada exibição da equipa principal de futebol, do nosso clube do coração. mais do que nós, comuns adeptos, (pres)sente-se que os próprios jogadores estão cada vez mais interessados em que a época desportiva finde o mais rápido possível na exacta proporção inversa de que a sua agonia acabe de uma forma menos dolorosa.

afirmo-o tendo presente as peripécias do encontro que nos opôs ao Rio Ave. por contingências várias, só o pude visualizar em diferido. e o que vi, mesmo depois de saber o resultado final, foi muito mau. muito mau, mesmo. e peca por excesso face ao que (não) se produziu em campo. Nuno Espírito Santo justificou e, no meu entendimento, bem, que a prioridade do clube vilacondense são as duas finais que vai disputar em breve; assim sendo, tivesse ele apresentado um outro onze, porventura com mais "arrojo" e mais acerto na finalização, certamente que teríamos passado por muitos mais dissabores, na Segunda-feira... 

aliás, quero aqui afirmar que, no meu entendimento, muitas das críticas que Nuno Espírito Santo tem sido alvo, mormente por parte daqueles (ir)responsáveis que actualmente "estão com o credo na boca", são injustas. muito gostaria eu de saber o que fariam esses mesmos que, na presente temporada e em clubes com uma dimensão idêntica ao Rio Ave, muitos comentários desfavoráveis lhe tecem, atirando-lhe à cara a esfarrapada questão da «distorção» da "verdade desportiva"... tenho para mim que essa questão da deformação de um conceito que é tão subjectivo quanto a legalidade do spórtém em querer provar o célebre «dolo» na "ex-taça da bjeKa, só é aventada pelos que, a partir de uma determinada altura e por demérito próprio, passaram a depender de terceiros. e, quando assim é, "puseram-se a jeito", ficando sujeitos a esse risco que lhes é (de todo!) impossível contrariar: a Vontade de quem legitimamente fez tudo o que estava ao seu alcance para triunfar e pelos seus próprios meios.


de regresso ao que aqui nos traz, porque entretanto desviei-me da mensagem principal que quero partilhar.
para que fique bem claro, evidente e não deixe qualquer réstia de dúvida, com o teor do que a seguir citarei não pretendo desculpabilizar, seja de que forma for, uma época desportiva, a todos os títulos, miserável. aliás, necessito recuar ao início do presente séc. XXI, com o "engenheiro do penta" ao comando do nosso clube do coração, para encontrar depressões em igual número e um futebol praticado em "qualidade" idêntica. há mais de dez anos, portanto. mas, mesmo assim, a época corrente bate-a aos pontos...

"mas ao que é que me refiro?", estarás tu a perguntar.
uma de vós, que pediu anonimato, deu-me conhecimento desta deputada provocação, com ênfase nesta parte:

«

deixo aqui uma boa fórmula, se virem que estão nervosos: façam como os médicos faziam antigamente [sic], sentem-se, acalmem-se e digam "33". À segunda ou à terceira vezes, vão ver que já estarão mais calmos e mais serenos

»


depois... bem... depois e porque esta "posta de pescada está a tornar-se em algo que já vai para lá de um testament... um textinho demasiado longo e extenso, é melhor desvendar uma questão pertinente logo a seguir ao «gosto» do "faceboKas, em «'no pare, sigue, sigue'»...


somos Porto!, car@go! 
«este é o nosso destino»:  


beijinhos e abraços sempre! muito portistas!
Muito Obrigado! pela tua visita :)



terça-feira, 22 de Abril de 2014

das (duras) evidências... [com 'nortada' incluída]


© google | Tomo II


caríssima(o),

peço desculpa pela linguagem, mas, lá pela redacção do pasquim da Travessa da Queimada, anda tudo "com o pito aos saltos" com a conquista do mais recente título lampiónico - precisamente um dos pasquins nacionais que mais força fez para que "o sr. jejum" fosse dar «uma g'anda bolta!» no final da época passada. e, neste último caso, à cabeça, surge o nome do sr. guerra - o mesmo sem-vergonha que, no dia de hoje, pomposo e orgulhoso e inchadíssimo, proclama «o fim do império» para o nosso clube. enfim, são uma cambada. e não passam todos de uns «gloriosos» tristes - no sentido em que "a queda dos grandes será sempre a felicidade dos medíocres!"...


em relação à edição impressa desta Terça-feira, e para lá da mais recente NORTADA do nosso enfant terrible, Miguel Sousa Tavares ("uns no Marquês, outros na morgue" - e outros no Brasil, e outros que nem nos Aliados apareceram, e outros (poucos) que se quedaram apenas pela Praça de Mouzinho de Albuquerque, não "os" tendo no sítio para descer Júlio Dinis em direcção à Baixa, acrescento eu...), recomendo sobretudo a parte relativa ao 5lb. vale bem a pena para percebermos bem como, de facto, existem realidades que ainda transcendem quem deveria pugnar pelo Rigor e pela Isenção.
ao que me refiro? simples: abaixo seguem duas simples imagens com factos que incomodam "muito boa gente". estes referem-se ao período compreendido entre 03 de Novembro de 2003 e a presente data:



© wikipedia | Tomo II
(clicar na imagem para ampliar)



e, em igual período, mas em relação a um «certo e determinado» clube mais a Norte, dito «Regional»:



© FC Porto | Tomo II
(clicar na imagem para ampliar)



será necessário explicar mais? ou apresentar mais algum desenho?

é mesmo muita fruta, pá!



"disse!"



segunda-feira, 21 de Abril de 2014

«ooh!! aah!!! impressionante!» *


© google | Tomo II
(clicar na imagem para ampliar)



caríssima(o),

cof! cof! peço desculpa. cof! cof! peço mesmo desculpa, mas "isto" está «impressionante»*cof! cof! e não é só no espaço exterior. também está... cof! cof! na caixa de comentários deste espaço de referência, interdito a lampiões e a calimeros (que não se confundem com benfiquistas e sportinguistas).

cof! cof! mais uma vez, peço desculpa. cof! cof! ... 
parece que a minha última "posta de pescada"® causou algum incómodo nas hostes lampiónicas que costumam gravitar por esse "maravilhoso mundo que é a bluegosferacof! cof! ...

com licença. cof! cof! ... vou ali e venho já. cof! cof! ...


como "dizia", a minha última "posta de pescada"® causou algum incómodo nalguns lampiões - uns por que se sentiram ofendidos, coitadinhos; outros por que estou com um «melão» de todo o tamanho; outros por que "gostam" mesmo muito de mim e de me desejar "felicidades".

acerca da última estirpe, vou parafrasear o caríssimo dragão Vila Pouca, por me rever nas suas palavras e sobretudo na sua conduta:

«


O FC Porto venceu três campeonatos nas três últimas épocas - na passada, com um momento histórico ao minuto 92, na época 2010/2011, com tripla humilhação ao 5lb (5-0, título conquistado na Luz apagada, reviravolta humilhante para a Taça de Portugal)[eu mantive-me] aqui, quietinho, festejando no local próprio... 

Hoje, os bastardos, vêm aqui, não para festejar como seria natural, mas antes para insultar e sempre com a mesma conversa da «fruta», dos «corruptos», do achincalhamento; um deles ainda se atreve a sugerir que deveríamos dar os parabéns a essa gentalha. Não!, aqui nunca se dará os parabéns "ao inimigo".

»


acerca do «melão» e para lá do enorme perímetro da minha enorme massa encefálica, vou parafrasear o blogger "glorigozo 5lb", no "anti-lampião":

«


a sério, queres falar em «melão»?! queres mesmo falar em «melão»?! é que estás a confundir estar f*dido dos cornos com isto:

2010/2011

» FC Porto 5-0 visitante (épico)
» apagão do salão de festas (estive lá)
» passagem à final da taça de Portugal, garantida no salão de festas e depois de, no jogo da primeira volta, termos perdido por 2-0 em casa
» conquista da Liga Europa, ante o SC Braga, que vos elimiaram na meia-final da dita competição, e quando muitos de vós tinham Dublin «reserBada»

2011/2012

» desperdício de 5 pontos de vantagem, com o ponto de mudança na liderança do campeonato a ser conseguido no galinheiro, com o tal golo em fora-de-jogo do Maicon - o qual, para ser ainda mais belo, só faltou que tivesse sido uma imitação do marcado pelo vata

2012/2013

» momento Kelvin
» momento Ivanovic, na final da Liga Europa
» momento cardozo, na final da Taça de Portugal


a sério: tu que, de há 3 anos, nem consegues sair de casa tal é o cabeção, tens a p*t@ da latosa de falar em «melão»?!

»





*
ao que me refiro? a esta palhaçada de comentários, num (suposto) canal de televisão mas que mais não é do que um órgão de comunicação para lá do oficioso da agremiação de Carnide...
estive para enviar (mais) um mail ao sr. serpa, mas nem estou aí... o homem ainda deve estar a ressacar da festa, numa qualquer sarjeta, na Travessa da Queimada (para além de que o "telefone esperto" que possui não o torna mais inteligente na utilização que não domina)...


domingo, 20 de Abril de 2014

campeões?! não! "bi-campeões!"


© google
(clicar na imagem para ampliar)


«


"lampionismo": um dos cancros de Portugal


Sim!, a mentalidade das papoilas saltitantes encorpora muito do que está errado no País e é uma das razões por que Portugal não consegue "sair da cepa torta"
O lampião típico, de camisa entreaberta, barriga proeminente, palito na boca e boçalidade incontrolável, representa o Portugal ultrapassado, uma mentalidade retrógada que é necessário erradicar de uma vez por todas.

lampião, seguindo a mais pura tradição lusitana, só se queixa quando as coisas correm mal. Se a equipa não ganha, acusa tudo e todos de serem «corruptos», grita aos sete ventos o «escândalo vergonhoso», denuncia «a podridão do futebol português» e o «sistema» e clama pela «verdade desportiva». Se ganha (mesmo que fortemente beneficiado) enterra de imediato a cabeça na areia e descreve um cenário paradisíaco, onde os outros são «queixinhas» e não «reconhecem a superioridade do glorioso».

Na melhor das tradições 'tugas, o lampião nunca reconhece que foi beneficiado e é indiferente ao prejuízo que as suas acções possam causar a terceiros. 
lampião representa aqueles que se lamentam da corrupção e do compadrio dos políticos mas que, se uma cunha lhes permite um emprego, uma promoção ou um beneficio, de imediato esquecem o protesto e exultam do topo da sua "chico-esperteza"
Aliás, a "chico-esperteza" lampiónica é lendária. O exemplo mais recente é o caso do jogo com o Arouca, disputado em Aveiro. O facto de os ter colocado numa vantagem óbvia sobre os adversários, ao jogarem em campo neutro, foi olímpica e gloriosamente esquecido, perante o esfregar de mãos da ratice bem sucedida. Acenaram com as notas ao Arouca e o aspecto desportivo ficou facilitado, numa fase final de um campeonato ainda por decidir. Foi mais um exemplo do lampionismo a dar asas ao decrépito "desenrascanço lusitano", onde o que interessa é "safar-se" sem Ética, nem Princípios, nem Moral.

Por ultimo, lampionismo simboliza o Portugal sobre-endividado a querer fazer figura de rico. Tal como milhares de portugueses, que mergulharam na euforia dos créditos e do dinheiro fácil, também o lampião vive com a ilusão de que o estádio deles fica sobre uma jazida de petróleo e o que interessa são as aparências de uma equipa milionária. O crescente buraco financeiro é irrelevante até porque, se a coisa ficar preta, estão gloriosamente convencidos de que todos os portugueses o pagarão, tal como acontece com o deficit do Estado. A arrogância burgessa lampiónica parece não ter limites...

As generalizações são perigosas e existem, de facto, adeptos encarnados que têm uma cabeça funcional entre os ombros. O problema é que esses são uma minoria. 
Erradicar os comportamentos bacocos da maioria levará o seu tempo, mas que ninguém tenha dúvidas: Portugal seria um país bem melhor sem este lampionismo bolorento.

»

num comentário, retirado do extremamente portista "dragão até à morte", do caríssimo dragão Vila Pouca.
mas, daqui quero complementar a opinião que atrás se reproduz, acrescentado que, onde se lê "lampião" e "lampionismo", também se pode ler "calimero" e "calimerismo".


«


Há, no benfiquismo, uma característica, infelizmente pouco abonatória, de certos comportamentos que caracterizam o que existe de pior na Sociedade Portuguesa. Eu sei, eu sei, que entre os seus adeptos há bons e maus; há os que são honestos e há os vigaristas; há os pacifistas cordatos e os violentos, agressivos e destrambelhados. Enfim, há de tudo um pouco, como noutros clubes, a começar pelo meu. 
No entanto, quanto a mim, existem algumas referências que, na generalidade, atravessam o colectivo dos adeptos benfiquistas - sejam eles cultos ou iletrados, ricos ou pobres, fundamentalistas fanáticos ou não -, e que aparecem como marca registada da casa, o seu verdadeiro 'ex-libris' (e não!, não é a famigerada divisa recuperada dos mosqueteiros); a saber: 

(1) são, por natureza, habituais destorcedores dos factos (e da mais comezinha Realidade), os quais apresentam sempre à medida das suas conveniências e dos seus interesses; 
(2) são presunçosos e arrogantes, sem uma centelha de humildade, e incapazes de reconhecer o mérito alheio, mesmo quando ele é por demais evidente; 
(3) são invejosos e mesquinhos, destilando ódio e grosseria para os seus adversários, por puro deleite e por notória falta de argumentação válida, consistente, coerente e verosímil; 
(4) são idólatras e passadistas que, à falta de Presente, se entretêm a relembrar e a glorificar o Passado e os seus ídolos, como se de um espaço mítico se tratasse; 
(5) e sobretudo - oh, sobretudo! -, para  além de arruaceiros, são uns provocadores inveterados, em que o orgulho e a vaidade se entrelaçam com a ignorância, os chavões de sobrevivência e a má-fé. 

De referir que é tudo suportado por uma abjecta campanha da Comunicação Social lusa, que os protege e acirra.

É assim o benfiquismo. São assim os benfiquistas... 

Não gosto deles!


»


indecentemente "sacado" ao "reflexão portista", e já com uma referência neste espaço de discussão, estávamos em Janeiro de 2012
apenas acrescento um dos meus lemas sobre este tópico (lampionagem): 
"nem todos os benfiquistas são estúpidos; mas todos os estúpidos são lampiões!"®


sábado, 19 de Abril de 2014

sobre o actual L-O-L de Portugal


© google | Tomo II


«


É que a malta do spórtém, este ano, parece "andar a cuspir para o ar", e sabemos bem o que faz a gravidade nesses casos. spórtém não ganhou, nem vai ganhar nada esta época. Na próxima época conviverá com as dificuldades de lidar com competições europeias, o que não permite fazer apenas um jogo por semana: há mais cansaço físico e psicológico. Quando se perde na Europa, a jogar com malta jovem (como é a equipa dspórtém, ou como é a actual defesa do FC Porto), as coisas têm reflexos gigantes nas competições internas: os jogadores só têm um 'chip' e, se as coisas correm mal à Quarta-feira, o 'chip' que entra em campo no Domingo vai "danificado".
Não sei até que ponto spórtém terá capacidade para se reforçar convenientemente nesse sentido, ou se para isso não terá de vender mais do que um jogador importante do plantel para ter essa capacidade. E digo mais do que um porque pelo menos um será inevitável (o popularuxo do vosso presidente pode berrar o que quiser com voz grossa, mas no fim do dia o que conta é o dinheiro para pagar as contas).

Já que vou aqui, vou continuar a dar uns conselhos para esta vossa subida ao topo. 
Também não será fácil manter dois desejos simultâneos: manter os jogadores e o orçamento baixo. É que, mais cedo ou mais tarde, os jogadores sentem que valem mais do que o que recebem ao final do mês (e o que recebem é o que define em larga escala grande parte desse orçamento reduzido). E até podem amar spórtém do fundo do coração, mas têm ambição pessoal. Além disso, os "tubarões" chegam aí e fazem-lhe a cabeça, e lá vão eles… 

Portanto, não há qualquer "segredo" para se manter no topo: é ter os melhores jogadores, vender, e comprar outros que sejam tão bons para vender mais tarde. O ciclo do clube português é este.
Sempre que faço ver isto a alguém dspórtém, invariavelmente respondem-me: mas temos a academia!. E eu pergunto sempre: “e quantos jogadores da Academia saíram dspórtém por mais de 20M€ nos últimos 10 anos?”... O silêncio normalmente é a resposta, mas acho que nos últimos 10 anos ainda venderam o Nani acima dos 20M€. Confirma-se? Há mais algum?

»

um comentário "confiscado" ao muito leonino "porta10A", o blogue do caríssimo Marcelo Silva


«


Vai haver [sic] mexidas cirúrgicas no plantel porque felizmente a Realidade, para o próximo ano, vai ser diferente. Não fomos às competições europeias pela segunda vez na história e não queremos repetir. Haverá, por isso, uma cirúrgica melhoria, tendo em conta as responsabilidades acrescidas na próxima época.

Não estou a contar com nenhuma saída, mas há cláusulas de rescisão e se elas forem batidas a direcção nada poderá fazer. Nós não precisamos, não contamos e não faz parte dos nossos planos a saída de atletas com quem sabemos e queremos que sejam mais-valias para a próxima época.

»

burro do Carvalho aqui


«


Realmente há muitos clubes: uns que acham que são grandes, uns que gostariam de ser grandes, e depois há um que é grande, que é o spórtém Clube de Portugal.

Quando tivermos títulos e está para breve o início de outra época, havemos de comemorá-los [sic] com orgulho, porque saiu do nosso trabalho e não de qualquer outra situação mais obscura. Esse será sempre o nosso pergaminho.

»


burro do Carvalho aqui 



[ ficou registado. para memória futura. ]





sexta-feira, 18 de Abril de 2014

do regresso do "complexo da Ponte da Arrábida"...


© google | Tomo II


«


Foi com Pedroto que se lançaram as bases de uma grande equipa europeia, capaz não só de ombrear mas sobretudo de superar os rivais de Lisboa, tantas vezes visados a par dos prejuízos das equipas de arbitragem. 
"Quando o autocarro do FC Porto atravessa a Ponte Arrábida (para jogar em Lisboa) já vai a perder por 1-0" ou os "roubos de igreja do Estádio da Luz" ressoavam com estrondo nos tímpanos dos rivais e ainda hoje são frases marcantes de um técnico à frente no seu tempo, que muito antes da era-Mourinho já se fazia valer das vantagens do jogo psicológico.

»

fonte: diário de notícias


caríssima(o),

as feridas da derrota desta Quarta-feira ainda estão a ser "lambidas", principalmente pela forma como ocorreu. considero que não valerá a pena repetir o que eu entendo que se passou. seria puro masoquismo fazê-lo e estaria a eternizar um jogo que se pretende que seja 'deletado' o mais rapidamente possível da nossa memória.

mais do que um qualquer exercício (de puro devaneio) a clamar por uma revolução - no balneário, na equipa técnica, na estrutura, na Direcção, na massa adepta,... -, a qual certamente não terá em conta os considerandos deste que te escreve, o que proponho é uma breve reflexão sobre dados futebolísticos em dia de Sexta-feira Santa - logo, consciente do sacrilégio em que incorro.
esta brevíssima lição em que se pretende demonstrar uma teoria precedentemente estudada visa integrar (i) o título da presente "posta de pescada e (ii) o destaque da citação acima, com (iii) os factos constantes nas duas imagens que se seguem: 


(clicar na imagem para ampliar)



(clicar na imagem para ampliar)



abster-me-ei de tecer quaisquer pensamentos em forma escrita, pois que deixo essa incumbência para a tua estimada pessoa, nos comentários que julgares serem pertinentes e dignos de partilha pública, na caixa respectiva, ali em baixo. obrigado!


para finalizar, 
votos sinceros de uma Santa e Feliz Páscoa!, para ti e para os que te são mais queridos.




quinta-feira, 17 de Abril de 2014

(des)ânimo...


© pasquim do sr. serpa


«


O FC Porto foi esta quarta-feira afastado da final da Taça de Portugal, ao perder por 3-1 no terreno do 5lb. O 1-0 trazido do Dragão, num encontro em que os azuis-e-brancos tiveram oportunidade de conseguir uma vantagem muito mais confortável, revelou-se insuficiente. 
A eliminatória chegou a pender claramente a favor dos portistas, quando Varela empatou a partida, aos 52 minutos; mas, depois, os lisboetas concretizaram duas oportunidades - as únicas de que verdadeiramente dispuseram no segundo tempo, sendo que uma delas resulta de um penálti "cavado" por Salvio.

[...]


Luís Castro ainda arriscou tudo no ataque, com a entrada de Quintero e o posicionamento de Mangala na frente de ataque, mas os Dragões - que terminaram também com dez homens, devido à expulsão de Quaresma, por duplo amarelo - não voltaram a criar ocasiões para chegar ao 3-2, que lhes daria o acesso ao Jamor. 
Aliás, pouco se jogou a partir do 3-1, devido a uma prolongada invasão de campo e depois com o recurso dos jogadores do 5lb a constantes perdas de tempo. Resta pensar no futuro e o próximo confronto com 5lb é já a 27 de Abril (18h15), para as meias-finais da Taça da Liga.

»



caríssima(o),

tenho para mim que, pior do que a paupérrima exibição de ontem, é haver portistas que queiram "mascarar" o que de facto aconteceu no "estádio" da agremiação de Carnide. 
assim se justifica a introdução à presente "posta de pescada, pois que aquele é o jogo que alguém, na estrutura do FC Porto, viu e publicou na página oficial do Clube, mas, confesso, eu não pude assistir. até me atrevo a afirmar que mais ninguém o terá visto, sustentando a minha apreciação nas diversas crónicas que já li, nos meus locais de referência nesse "maravilhoso mundo que é a bluegosfera.
e, mais grave do que o que foi escrito na página oficial do clube sobre a partida - reforço esta ideia pela sua importância -, é ter sintonizado o Porto Canal e, nos breves instantes que por lá fiquei, ter escutado a sustentação da derrota exclusivamente pelos erros de arbitragem. já agora, e sobre estes últimos, eis o que me pareceu que aconteceu, ontem, no "estádio" esvoaçante onde irá decorrer a final da Champions desta temporada desportiva, onde se pode invadir o terreno de jogo à vontade, perante o olhar atento do juventino Platini: 


(clicar na imagem para ampliar)



assim sendo, não nos iludamos: é tão certo que houve erros de arbitragem que prejudicaram sobretudo o espectáculo - e por parte de alguém que é um «querido» para a UEFA e para a FIFA, mas que, vá-se lá saber porquê, tem uma tendência inata para ser um "diabinho" para connosco... -, como também é correcto corroborar a ideia de que não jogámos um car@**o. e que, no jogo de ontem não houve Atitude. e Garra. e Querer. e Raça. e Ambição em prosseguir na competição, eliminando o eterno arqui-rival em sua própria casa, tal como em 2010/2011. e que o único golo que marcámos não foi da equipa, antes fruto da inspiração individual de Varela.
em defesa desta minha convicção, exemplifico com um exercício ao estilo "football manager": a partir do momento em que o adversário passou a jogar com dez, depois de a eliminatória estar empatada e perante as "incidências" que já se percebiam, se fosse eu o treinador, teria mandado entrar o Ghilas para o lugar do "escondido" Varela e o Quintero para o lugar do inoperante Defour. daria a mensagem de que o FC Porto estava presente em campo e de que estávamos na disposição de discutir a partida até ao último segundo, com todas as pedras disponíveis para tal. tal não viria a acontecer, pelo que a imagem que prevaleceu foi a de uma «caricatura de uma equipa que já fomos e hoje já não somos», como escrevi no início da madrugada de hoje.


portanto e assim finalizo, se eu quisesse "afogar as mágoas" noutra versão que vá para lá do que efectivamente aconteceu, compraria a extremamente lampiónica edição impressa do pasquim da Travessa da Queimada desta Quinta-feira, e como a sua capa, acima reproduzida, não deixa de o revelar à saciedade. e, nesse exercício de puro masoquismo, "deleitar-me-ia" com a crónica à partida por parte do "belenense" do sr. serpa, do «glorioso» editorial do "excremento" do Delgado, da insuspeita análise ao jogo de santos neves, ou da ironicamente inqualificável opinião dO leonor pinhão.
como não o quero, o meu último desejo é assistir, "de camarote", ao desvirtuar da realidade por parte dos órgãos de comunicação oficiais do meu clube do coração.


"disse!"



«sempre a cantar por ti»


© zerozero | Tomo II


caríssima(o),

do encontro desta noite, no "estádio" esvoaçante de Carnide, o que há a extrair é que os «cerca de 1500 adeptos portistas» que lá se deslocaram não mereciam tamanha vergonha. 

e, vergastados pela dura Realidade mas sempre a apoiar o clube do coração, assistir à última queda, com estrondo, da réstia de uma caricatura de uma equipa que já fomos e hoje não somos.

«

sempre a cantar por TI 
contigo até ao fim 
TU és o nosso Amor

»



post scriptum:


mais do que nunca, esta é verdadeiramente a altura do nosso grande presidente falar à nação.
mas falar a verdade, encarar a péssima época desportiva que realizámos e tranquilizar-nos relativamente ao Futuro, a bem de uma unidade que começa a apresentar brechas.

e, como Mãe há só uma, daqui endereço os meus sentidos pêsames a Luís Filipe Vieira e à sua família.


Lei de Murphy nr. 8:


quando um trabalho é mal feito, qualquer tentativa de melhorá-lo piora...


quarta-feira, 16 de Abril de 2014

da "ementa" para hoje à noite... [actualizado com um facto pertinente]


© zerozero | Tomo II
(clicar na imagem para ampliar)



as marcações azuis [ O ] indicam os nomes que gostaria que fossem titulares.

e, para já, é só.
"solidariedade institucional" oblige.


actualização pertinente às 12h30m:



© google

«

A PSP anunciou, esta Terça-feira, que espera que se desloquem ao "estádio" da Luz entre 40 a 45 mil adeptos para o jogo desta Quarta-feira, da segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal, entre o 5lb e o FC Porto.

»


facto referido no órgão de comunicação (mais do que) oficioso da lampionagem.


«

Aos "outros". Expliquem-me: logo ficam no sofá?! Porquê?! O "estádio" não vai encher?! Têm medo que este FC Porto, combalido, goleado em terras de 'nuestros hermanos', vá, mais uma vez, ganhar ao vosso reduto?! Quando é "a doer" fica tudo em casa... mas quando é para festejar já saem todos à rua?! Marcam eventos no "faceboKas a dizer que «reservam» o Dragão e hoje nem lá vão?! 
Que vergonha... Ou antes, que orgulho ser dos meus. É isso que vocês não entendem. A nossa força, a nossa mística, a nossa raça, vê-se (também) nestes momentos! Estamos lá! Dizemos presente! Já vocês preferem o foguete e o 'confetti'...

»


não poderia estar mais de acordo com estas palavras, do "cativo das Antas", publicadas no extremamente portista "bibó FC Porto, car@go!".


post scriptum:


foi há três anos. não esquecerei.


"disse!"



terça-feira, 15 de Abril de 2014

de um clube orgulhosamente «regional»...




«


Sinais exteriores de grandeza... 


Impressionante mar de gente do 5lb no jogo com o Arouca, em Aveiro. É óbvio que o entusiasmo por um título que estará, de facto, muito próximo de se tornar realidade ajuda à mobilização nacional dos lampiões, mas não deixa de ser um sinal exterior de grandeza.

A verdade é que 5lb parece ter conseguido passar um largo período de tempo de indiscutível hegemonia portista no futebol português e sem sofrer demasiado desgaste na sua condição de clube com mais popularidade no País. É um caso de estudo e que tanto pode ser avaliado pelo lado do mérito que 5lb e os seus responsáveis, têm tido na defesa de um sentimento de orgulho clubista, como pode ser entendido pela incapacidade que os responsáveis do FC Porto terão tido no total aproveitamento de décadas de superioridade desportiva, de alguma maneira esbanjada numa política cerrada de um regionalismo alicerçado numa cultura tradicional do clube, mas que poderia ter tido uma mais conseguida estratégia de expansão, tanto a Sul como a Norte do País.
Seja como for, por uma razão, por outra, ou até pelas duas, a verdade é que 5lb se vê regressado a uma imensa onda de paixão sem qualquer limite geográfico

É previsível (embora incerto) que 5lb possa celebrar o título na Páscoa. A acontecer, ou melhor, quando acontecer, irá celebrá-lo em todo o Portugal e também por esse Mundo fora, onde houver comunidades portuguesas. Será certamente uma festa de dimensão invulgar, principalmente porque era esse o grande objectivo da época para os lampiões. Mesmo assim, uma festa à qual dificilmente a equipa, pelo menos numa primeira fase, se deverá associar, uma vez que ainda tem de pensar noutras conquistas.

»

autor: o "belenense" do sr. serpa 
fonte: pasquim da Travessa da Queimada (2014-04-15)



© google | bibó FC Porto, car@go!



caríssima(o),

interrompo o meu voto de solidariedade institucional para com o nosso treinador, pois é impossível, para mim, passar ao largo do desejo que o "belenense" do sr. Serpa tão ardente manifestou no editorial da edição impressa do pasquim da Travessa da Queimada desta Terça-feira, e que acima se reproduz para memória futura.

o meu comentário será extremamente curto:


o que o sr. serpa e todos os lampiões que como ele pensam, e tecem um "arrozado" de considerações impregnadas de mofo e a tresandar a um bafio que se mistura com couratos e minis da sagres (bleeearrgh!), é que o Futuro será certamente pintado a uma cor: o azul-e-branco.
aquela mesma «indiscutível hegemonia portista no futebol português» dará os seus frutos indiscutivelmente. basta perceber o que já vai acontecendo por essas escolas fora, «tanto a Sul como a Norte do País».
mas, essa é uma realidade que, por lhes ser tão dolorosa, é conveniente que não seja divulgada, portanto sonegada e, se possível, desvirtuada - como aquela outra, que faz referência a «seis milhões»...


"disse!"