quinta-feira, 21 de Agosto de 2014

pragmatismo


© menos futebol


pragmatismo

substantivo masculino

1. doutrina que toma por critério da verdade o valor prático, em oposição ao Intelectualismo.

adjectivo e substantivo masculino

(do grego pragmatikós: activo, hábil em negócios ou política)
1.. relativo à Pragmática ou ao pragmatismo.
2. que tem motivações relacionadas com a acção ou com a eficiência; prático.
3. que ou quem revela um sentido prático e que sabe ou que quer agir com eficácia.


exemplos práticos dos termos acima referidos:


ontem, em Lille, ante o clube francês da mesma cidade, na "primeira parte" da eliminatória de acesso à fase de grupos da Champions, o FC Porto revelou-se pragmático.

ontem, em Lille, numa partida em que estão em causa, pelo menos e à data e hora, valores na ordem dos 10,7M€o pragmatismo do jogo do FC Porto sobrepôs-se à intenção de uma "exibição de encher o olho".

depois da exibição pragmática do FC Porto, ontem, em Lille, num encontro para a Champions e em que era imperioso não perder (sequer sofrer golos), continuo a ter imensa dificuldade em encaixar algumas críticas de alguns adeptos portistas... 
provavelmente o defeito estará em mim, por ainda não ter percebido que, mesmo sendo o segundo encontro oficial da presente temporada, ante o terceiro classificado da Ligue 1 da época passada, que manteve a base do seu plantel, que principiou a planificação da temporada mais cedo do que nós e cujo treinador reconheceu a superioridade do FC Porto, deveríamos ter feito uma exibição de gala e que enquanto visitantes, deveríamos ter vencido por goleada...


"disse!"



notas soltas sobre Lille


© menos futebol

caríssima(o),

eis o que tenho para partilhar contigo, "ao intervalo" do encontro ante o Lille, no 'play-off' de apuramento para a tão desejada fase de grupos da Liga dos Campeões:

1)


Julen Lopetegui explicou que:
« A táctica que escolhi de início pretendia dar-nos mais controlo e posse de bola para impedir o Lille de efectuar transições rápidas da defesa para o ataque. E conseguimos. »

e, de facto, tal foi conseguido. a meio da primeira parte possuíamos 70% de posse de bola (viríamos a terminar com 59%) mas à qual faltava sempre "profundidade", i.e., algo mais para conseguir fazer chegar o esférico a "uma ilha plantada" na defesa francesa, chamada Jackson. na altura dei por mim a desejar a substituição do Herrera por um extremo, independentemente do nome deste último... 
tal viria a acontecer aos 60', com toda a felicidade do mundo para o que aconteceu depois e para nossa fortuna - no único lance, em 90 minutos (mais os descontos da partida), em que o nosso ponta-de-lança foi servido na perfeição.

2)


para mim, a justificação do investimento (certamente de risco) em jogadores como Tello e Óliver está explicada em tão-somente dois jogos oficiais. 
o primeiro já contabiliza duas preciosas assistências para outros tantos golos, sendo o desta noite o mais importante (quiçá determinante); o segundo por ter o dom de possibilitar que aquele esférico, referido anteriormente, saia dos seus pés de forma muito redonda e não num autêntico paralelepípedo, como num passado recente e de muito má memória.
a quem ainda não compreendeu este investimento, por parte da Direcção da SAD do nosso clube do coração, os meus sentidos pêsames e que "vá pela sombrinha" com as suas críticas maledicentes...

3)


pela forma como a equipa se apresentou neste encontro, (pres)sente-se que há muito trabalho nos treinos ao longo da semana e que as partidas são devida e condignamente preparadas, com a identificação precisa do adversário.
depois da explosão emocional com o golo do Herrera, dei por mim a pensar que não sinto a falta do "nosso" Polvo. se, por um lado, este é o maior elogio que consigo tecer ao treinador e, por inerência, aos médios Rúben Neves (quanto talento!) e a Casimiro, por outro também não pude deixar de tecer o seguinte considerando, de mim para eu próprio: há quem queira jogar com um duplo pivô no meio-campo e não consiga fazer transmitir a mensagem de forma suficientemente clara aos jogadores, optando por bater palmas enquanto vê toda a cagada que (in)tentou treinar durante a semana à sua frente. e que, ainda assim, teimosamente persista no erro de a repetir no próximo encontro. e no a seguir. e assim por diante, até ao descalabro total... «não sei se me faço entender?»...

4)


definitivamente não haverá lugar a "vacas sagradas" no plantel, esta época.
e não me refiro (só) a Ricardo Quaresma e aos «filmes» que se possam tecer acerca da sua cara de poucos amigos com que rendeu Óliver e pela rapidez em regressar ao balneário, finda a partida; sobretudo, ficou-me na retina o modo enérgico como Lopetegui respondeu ao parvalhão do "jornalista" estúpido ao serviço da estação de Queluz (não!, obrigado! não fumo).

5)


independentemente de uma arbitragem a tender para o caseira (e refiro-o legitimamente, pois estamos em vantagem na primeira parte desta eliminatória), o mais importante do sucesso desta noite esteve presente nas bancadas do "pavilhão" do Lille.
refiro-me obviamente a esse fantástico apoio proporcionado por alguns milhares de adeptos deste clube que teimam em apelidar de «regional» mas que transporta, para lá do orgulhoso nome da Cidade InBicta, muito do prestígio actual do futebol português além-fronteiras.
a quem conseguiu marcar presença no Grand Stade Lille Métropole, o meu enorme e sentido "bem-haja!"



somos Porto!, car@go! 
«este é o nosso destino»:  


beijinhos e abraços sempre! muito portistas!
Muito Obrigado! pela tua visita :)




quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

«serás sempre a minha paixão»


© google
(clicar na imagem para ampliar)


basicamente encontro-me em "estágio" até às 19h45m...


actualização canarinha, às 10h18m:



© o jogo | FC Porto para sempre
(clicar na imagem para ampliar)


actualização, às 12h38m:


depois da (para mim) piada de muito mau gosto do nosso querido líder, considero que não deveria haver lugar a este tipo de picardias perfeitamente evitáveis e que conferem "ares" de uma soberba que não nos deveria assistir:

© o jogo | FC Porto para sempre
(clicar na imagem para ampliar)


"disse!"



terça-feira, 19 de Agosto de 2014

o rebu*


© google | Tomo II

episódio 01 | cena 01


«


Há propostas para o Marcos Rojo e o Slimani, mas os valores estão abaixo daquilo que o cepórte legitimamente pretende.

»


episódio 02 | cena 01


«



A saída de Marcos Rojo do spórtém pode estar a ser forçada pelo próprio defesa. 

Às notícias de que o central alegadamente se recusou a jogar no Troféu Teresa Herrera, no passado Domingo, 10 de Agosto, ante o Nacional de Montevideo, juntam-se os relatos de que hoje, 12 de Agosto, não se juntou ao plantel verde-e-branco e falhou o treino.
A referida ausência do central estará relacionada precisamente com a noticiada proposta que o Manchester United terá apresentado ao clube de Alvalade, de 20 milhões de euros.

Há agora posições opostas em todo o processospórtém quer subir a parada por Rojo, e pede mais dinheiro ao United; já o central, quando chegou a Lisboa proveniente do Mundial, não descartou a possibilidade de sair de Alvalade, desde que a proposta fosse boa para ele próprio e para o clube.

Até ao momento não existe qualquer informação oficial por parte dspórtém em relação à ausência do internacional argentino.

»


episódio 02 | cena 02


«


A revista francesa 'France Football' revela, esta Segunda-feira, 12 de Agosto, que Islam Slimani está a treinar com a equipa B do zmerding, visto estar com problemas com a direcção verde-e-branca.

Slimani pretende deixar Alvalade e rumar a outras paragens.

Slimani, de 26 anos, chegou na última temporada ao zmerding e tem sido um dos jogadores em destaque em Alvalade. Também no Campeonato do Mundo, no Brasil, o "planeta futebol" ficou encantado com as exibições do atacante africano.
Apontado a vários clubes, o argelino colocou recentemente esse "aspecto" nas mãos do empresário.

»


episódio 02 | cena 03


«


Há dois jogadores que não entenderam as mudanças do clube. Estão agora sob a alçada disciplinar do clube. 
A génese é conhecida: a ambos faltam cumprir três anos de contrato. Não conheço um jogador que tenha sido ameaçado para assinar. Todos temos expectativas, eu também tenho. Quando ficamos em sétimo, os jogadores não devolveram o dinheiro dos salários. Não cedemos a chantagem, nem pressões, nem de interesses de agentes e fundos. O cepórte não cede a atitudes que desrespeitem o grupo. Slimani não está na equipa B, está apenas sob alçada disciplinar do clube. 
Um fundo quer levar um jogador? Quando é que um fundo se pode intrometer na vida de um clube? Um clube oferece o triplo? Mas um clube não pode falar com um jogador antes de falar com o emblema onde está. Fizeram-no e o cepórte vai agir de acordo com isso. A minha preocupação é como se permite esta situação, com intervenção de fundos, assim como as propostas de ordenados, que é ilegal.

Ambos os jogadores acentuaram actos de indisciplina. Devo deixar um recado à navegação: todo o jogador que não siga as regras do clube, pode ter as ilusões, intromissões todas que a situação complica-se. Respeitem o clube, sejam profissionais. 
Os jogadores são pagos para treinar e jogar. A mim não me apetece trabalhar todos os dias mas tenho que o fazer. Por uma questão de defesa de grupo de trabalho que é magnífico, estes jogadores estão sob alçadas duras da direcção.

Esses jogadores não podem jogar no sábado? Não jogam no próximo fim de semana. Pode demorar o tempo que for necessário. Se algo não mudar, acabará com os jogadores a cumprir os três anos de contrato. Se perceberem como devem ser, se os fundos deixarem de agir como bichos papões, os agentes deixaram de ser sonsos... A minha vontade é que cumpram o que está tratado e que cumpram o castigo imposto. Se quiserem podem ver o jogo pela televisão. Vamos jogar para ganhar e vamos ganhar. Não há jogador mais importante do que o clube, do que os sócios e do que o grupo de trabalho. Não troco a honra, história do clube, a honra dos sócios por atitudes de quem for.

Não usem a imprensa, sejam profissionais. Não pode haver meras vontades, têm de ser profissionais. Se vamos pelo apetite, cada um trabalha quando quer. Estes dois, em defesa do grupo magnífico, têm de ser afastados. Estão sob alçada disciplina dura.

»


episódio 03 | cena 01


«


6. A Doyen não interfere, nunca interferiu nem pretende interferir em nenhum clube nem na tomada de qualquer decisão. Os contratos da empresa são transparentes, claros e, contrariamente a outros concorrentes, defendem a total independência dos clubes na tomada de decisões. Orgulhamo-nos muito disso e somo utilizados como bom exemplo pelas instituições internacionais que tutelam o futebol. O nosso modelo de contrato será por exemplo a base do modelo que será utilizado e regulamentado pela Liga Espanhola;

7. A Doyen foi fundamental para que o jogador Marcos Rojo pudesse ser transferido para o spórtém porque assumiu, no momento da negociação, o pagamento de 75% do valor da transferência assumindo até as primeiras prestações antes de o spórtém ter que pagar os seus 25%, numa outra medida de facilitar a vida ao clube.
Sem a intervenção da Doyen, através do financiamento, o Marcos Rojo não seria jogador do spórtém. 
Mas mais ainda: em simultâneo realizámos outras operações com o spórtém entre as quais um empréstimo ocasional para o clube poder fazer face às dificuldades de tesouraria que tinha no momento;

11. spórtém está portanto no seu inteiro direito de não transferir o jogador Marcos Rojo sabendo que para isso só tem que compensar o fundo nos termos e prazos conforme está estabelecido contratualmente desde início;

16. Infelizmente e porque gostaríamos de revelar mais detalhes para aclarar ainda mais a opinião pública, não podemos revelar dados concretos do contrato devida à cláusula de confidencialidade imposta, cláusula essa que ontem o Presidente do spórtém não respeitou, tendo chegado a fazer afirmações que não correspondem à realidade contratual e dos factos;

»


episódio 04 | cena 01


«


a) O Comunicados Clube de Portugal é uma entidade idónea com 108 anos de história e real valia inquestionável para o mundo desportivo, nomeadamente para o Futebol;

c) Práticas que não vão ao encontro daquilo que é a nossa visão do desporto e a lisura dos procedimentos e valores que defendemos, encontrarão sempre a nossa mais firme oposição;

i)Comunicados Clube de Portugal informou a Doyen, por email, no dia 07 de Agosto de 2014, que tinha enviado para análise do seu departamento jurídico os contratos envolvendo os direitos económicos de jogadores celebrados com essa empresa, e em várias conversas que considerava totalmente inaceitáveis as ingerências e ilegítimas pressões que estavam a ser realizadas pelo CEO da Doyen, Sr. Nélio Lucas;

j) Perante a gravidade das afirmações e inverdades comunicadas, vemo-nos forçados a informar que o mesmo CEO, no início da época 2013/2014, enviou ao Presidente do Comunicados Clube de Portugal, vários sms abusivos, entre os quais, um com uma mensagem informando, em letras maiúsculas, que: “O MARCOS ROJO VAI PARA O [CLUBE ESTRANGEIRO]” e que “SE NÃO O DEIXAREM ELE VAI COMEÇAR A PROVOCAR PROBLEMAS NA ACADEMIA”. 
Para além de ser mais uma prova evidente da ingerência que a Doyen faz perante aqueles que chama de seus parceiros veio a constatar-se que esta táctica é recorrente e apenas vai mudando o nome dos clubes;

m) Não podemos deixar de nos mostrar preocupados com a incapacidade de um fundo que gere milhões e vários activos em fazer contas. Assim, 25% de 30M€ nunca será igual a 25% de 20M€, nem mesmo com o facto do Spartak de Moscovo ter de receber 20% da mais-valia acima de 5M€
Contudo não podemos estranhar esta incapacidade aritmética do fundo Doyen, pois o seu CEO, Sr. Nélio Lucas, conseguiu transformar uma proposta que fez ao Comunicados Clube de Portugal de 20M€, no dia 24 de Maio de 2014, para a aquisição do atleta Brahimi, em 6.5M€ para outro clube português conforme é do domínio público;

n) Face ao exposto, sem prejuízo da nulidade dos contratos celebrados com a Doyen, relacionados com os jogadores Marcos Rojo e Zakaria Labyad, o Comunicados Clube de Portugal SAD vem comunicar que procedeu, hoje, 14 de Agosto de 2014, à resolução com justa causa dos respectivos contratos com a Doyen.

»


episódio 04 | cena 02


«


A Doyen Sports considera inaceitável a tentativa do zmerding de se furtar ao cumprimento das suas obrigações contratuais sob pretexto de nulidades, totalmente infundadas, de contratos validamente celebrados com a Doyen Sports. 
Inclusivamente a actual Direcção do zmerding já expressamente se prevaleceu das disposições contratuais, não tendo colocado em causa a sua validade, designadamente para a realização da última prestação prontamente paga pela Doyen Sports, relativamente ao jogador Marcos Rojo, em Novembro de 2013.

»


episódio 05 | cena 01


«


Como era esperado, Islam Slimani e Marcos Rojo, que estão sob a alçada disciplinar do cepórte, não estão entre os 19 eleitos de Marco Silva para o desafio com a Académica, na primeira jornada da Liga, marcado para as 20h30m deste Sábado, 16 de Agosto.

»


episódio 06 | cena 01


«


Como era esperado, o spórtém já oficializou a transferência de Marcos Rojo para o Manchester United. 

« Os clubes acertaram a cedência «os direitos desportivos e 100% dos direitos económicos do jogador Marcos Rojo, pelo valor total de vinte milhões de euros, pagos em três prestações: dez milhões de euros pagos de imediato e duas prestações de cinco milhões de euros cada, pagas em 01 de Dezembro de 2014 e em 1 de Julho de 2015. Do valor acima referido e de acordo com o contratualizado, serão pagos ao Spartak de Moscovo quatro milhões de euros, em proporção dos valores recebidos pela  spórtém SAD do Manchester United.»
Mais se informa que o referido acordo prevê ainda o direito da  spórtém SAD vir a receber 20% da mais valia numa futura transferência do jogador por montante superior a vinte e três milhões de euros.

Em relação à Doyen Sports Investiments Limited, e em consequência da resolução com justa causa do contrato celebrado com esta entidade para a comparticipação dos direitos económicos do Jogador, a  spórtém SAD informa que restituirá, de imediato, à Doyen o valor investido por esta entidade, nos termos legais. »

»


episódio 06 | cena 02


«


O Doyen Group não vai aceitar receber apenas «o valor investido por esta entidade», como pretende o zmerding. De acordo com o que se apurou, o fundo de investimento recorrerá para o Tribunal Arbitral do Desporto, na Suíça.

Rojo chegou ao zmerding por quatro milhões de euros. O Doyen Group ficou com 75% por 3M€, sendo esse valor que o clube calimero pretende agora restituir.
O fundo tem uma visão diferente da situação: o Doyen Group considera que é detentor de 75% do passe do futebolista argentino, pelo que deveria ser remunerado de acordo com essa percentagem.

»


comentário 01


«


O pé esquerdo de Rojo


1. No último Congresso da FIFA anunciou-se a criação de um grupo de trabalho para analisar as possíveis opções regulatórias com vista à adequada regulação da titularidade de direitos económicos por entidades estranhas à relação jogador/clube. A UEFA, mesmo nesse congresso, continua a defender a sua total proibição. 
É neste ambiente mais alargado, que pode ser enquadrada a recente resolução dos contratos que ligavam o zmerding ao fundo de investimento Doyen Sports.

2. O comunicado do zmerding dá conta de nítida ingerência do fundo na política de contratação de um clube. Por seu turno, a Doyen é bem clara: no quadro de conjuntura económica internacional esta alternativa fonte de financiamento prestada pelos fundos como a Doyen é como um balão de oxigénio que permite aos clubes terem recursos para poderem lutar melhor pelos seus objectivos. Em Portugal este cenário é ainda mais evidente pelas dificuldades ou mesmo impossibilidade de crédito bancário.

3. Onde está a verdade, é algo que só se pode alcançar a partir dos contratos e da prática das partes, mas fica evidente o tipo de relações que se estabelecem entre fundos e clubes. Parece-nos ainda que a FIFA não pode deixar de conhecer os contornos destes contratos e relações. Se o não fizer é porque não quer fazer, o que já em si, uma tomada de posição sobre a matéria.

4. A norma FIFA de que tão violada já nem sequer é eficaz. De todo o modo, zmerding pode não ficar isento de sanção, caso a entidade máxima do futebol decida agir
É que para além do litígio entre as partes, sempre os contratos podem exemplificar a influência (consentida pelo clube) da Doyen na sua liberdade de contratação. 

José Manuel Meirim, pasquim da Travessa da Queimada, 17 de Agosto de 2014.

»



comentário 02


«


'Do ut des' 


1. O presidente do cepórte quer ser o primeiro a resolver a quadratura do círculo: ter uma equipa de milhões (alheios) com salários de tostões (próprios). 
Os dissabores com que agora está confrontado (leia-se: as rupturas de Rojo e Slimani, a que reagiu de forma intempestiva, vão repetir-se a curto e médio prazo. A equipa tem consciência de que a sensacional campanha que realizou na época transacta - graças à abnegação, esforço e empenho que sempre pôs em campo sem reservas - não serviu só para valorizar e enriquecer o clube com os milhões da 'Champions', mas também para elevar o estatuto dos jogadores, que agora se sentem merecedores de uma fatia do bolo. Dir-se-á: é a obrigação deles. Pois sim! mas é igualmente dever da entidade patronal reconhecer e recompensar a dedicação dos trabalhadores. 
Eu sei que é uma grande contrariedade para o timoneiro dos leões perder um jogador de classe mundial como é Rojo sem receber (pelas minhas contas) praticamente nada em troca, mas os negócios com os fundos de investimento têm estes riscos. 
Como paladino da transparência no futebol, seria louvável que privilegiasse atitudes mais conciliatórias, do mesmo modo que teria sido recomendável que não tivesse votado em Mário Figueiredo para presidente da Liga. A transparência tem custos.

Manuel Martins de Sá, pasquim da Travessa da Queimada, 19 de Agosto de 2014.

»



* título inspirado no 'remake' de uma novela brasileira, cujo significado oficial pode ser encontrado aqui (se bem que eu prefira o seu significado informal).


"disse!"



segunda-feira, 18 de Agosto de 2014

curiosidades...



© google


1)


os mesmos espectadores que, por terem saído mais cedo do Dragão, na passada Sexta-feira e (mais uma vez?) não viram um golo nos instantes finais da partida, também abandonam o local prematuramente quando vão ao cinema e/ou a um concerto e/ou a outro espectáculo de cariz cultural?

2)


na última "posta de pescada" há uma parte irónica, mormente no capítulo do «desenvolvimento» da mesma, como foi perceptível. 
felizmente que essa ironia não provocou (muito) "dano", como noutros locais reflexivamente irónicos...

3)


mais do que perceber quem foi o jogador mais novo a estrear-se com o nosso BRASÃO ABENÇOADO ao peito e a honrar os pergaminhos e a história do nosso (e do seu) clube do coração, o que eu tenho a certeza é de que o jovem Rúben Neves foi autor do primeiro golo oficial da presente temporada e da edição 2014/2015 da Liga Portuguesa. e que grande golo que foi
e, já agora e porque vem a propósito, Lopetegui teve mais "tomates" e já fez mais pela formação do Clube do que muitos treinadores consagrados que por cá passaram.

4)


no decurso dos pontos anteriores, do apelo do Jorge (o do "Porta19") e de uma ideia minha de há um mês atrás, talvez fosse melhor que houvesse um período crítico de reflexão séria (e a sério!), para se reponderar o apoio à equipa no próximo dia 26 de Agosto, num encontro demasiado importante para que alguns de nós se comportem pior do que as claques adversárias...

5)


e agora? será que também irá afirmar que o RSC Anderlecht «é o clube ideal para crescer»? 
talvez seja melhor reconsiderar, tendo em linha de conta as imagens que se seguem:

© google | Tomo II
(clicar na imagem para ampliar)


6)


«Foi bom regressar ao banco. Sinto-me muito bem no Paços de Ferreira, num clube que me diz muito, mais do que qualquer outro», disse um antigo treinador que passou pelo banco do nosso Clube, com o "sucesso" que se lhe reconhece(u)...
ou seja, comprova-se que os limites só existem para quem pensa pequeno...


"disse!"



sexta-feira, 15 de Agosto de 2014

my name is Neves. Rúben Neves.




[em desenvolvimento - quer a "posta", quer o jogador]


há sensivelmente quatro meses atrás...


© google | Tomo II

«


Já que vou aqui, vou continuar a dar uns conselhos para esta vossa subida ao topo. 
Também não será fácil manter dois desejos simultâneos: manter os jogadores e o orçamento baixo. É que, mais cedo ou mais tarde, os jogadores sentem que valem mais do que o que recebem ao final do mês (e o que recebem é o que define em larga escala grande parte desse orçamento reduzido). E até podem amar spórtém do fundo do coração, mas têm ambição pessoal. Além disso, os "tubarões" chegam aí e fazem-lhe a cabeça, e lá vão eles… 

»


um comentário "confiscado" ao muito leonino "porta10A", o blogue do caríssimo Marcelo Silva

«


Não estou a contar com nenhuma saída, mas há cláusulas de rescisão e se elas forem batidas a direcção nada poderá fazer. Nós não precisamos, não contamos e não faz parte dos nossos planos a saída de atletas com quem sabemos e queremos que sejam mais-valias para a próxima época.

»

autor: burro do Carvalho
fonte: zerozero 
ps: os negritos, os sublinhados, os itálicos e os destaques são da minha responsabilidade.


[ convém relembrar estas palavras a quem de direito, depois do "estado de guerrilha comunicacional" entre o spórtém comunicados de Portugal e o fundo de jogadores Doyen, e sobretudo junto daqueles que tanto criticam o FC Porto, os seus administradores, a gestão que vem sendo desenvolvida e a sua política desportiva - e não me refiro só aos nossos «calimeros» detractores, note-se bem. ]


"disse!"



quinta-feira, 14 de Agosto de 2014

há sensivelmente um ano atrás...


© google | Tomo II


«


Em 2014/2015 as pessoas vão começar a notar algo de novo [...], nomeadamente em termos de jogadores portugueses. A estratégia é termos cada vez mais jogadores portugueses no plantel. Este é o último ano em que vamos precisar de vender jogadores.

A escola sérvia é uma boa escola. Se calhar, agora, os outros vão atrás de nós.

»

autor: luís filipe bieira'o Orelhas' penhorado
fonte: zerozero 
ps: os negritos, os sublinhados, os itálicos e os destaques são da minha responsabilidade.


[ convém relembrar estas palavras a quem de direito, sobretudo junto daqueles que tanto criticam o FC Porto, os seus administradores, a gestão que vem sendo desenvolvida e a sua política desportiva - e não me refiro só aos nossos «gloriosos» detractores, note-se bem. ]


"disse!"



quarta-feira, 13 de Agosto de 2014

de algumas 'facas (muito) afiadas' em pleno final de pré-época...



© google


caríssima(o),

sim!, obviamente que me refiro ao "sms do dia 12 de Agosto de 2014", da autoria de Miguel Lourenço Pereira
de facto, é, para mim de todo impossível não poder "reflectir" sobre alguém que, em vésperas do início de uma nova época desportiva escreve que:

«


Fico feliz que tenha sido contratado um 'entrenador' especialista em 'cantera' (esse que, com a melhor equipa do torneio, se ficou duas vezes pelos quartos-de-final de um Mundial sub20) para depois ignorar totalmente a 'cantera'.

»


e que, perante críticas pertinentes e observações razoáveis ao seu "arrozado" (muito pouco) irónico e bastante infeliz, argumenta que:

«


O mesmo treinador que trocou Toze por Oliver? O mesmo que trouxe um jogador por posição tapando literalmente os minutos de Victor Garcia, Kadu, Tiago, Rafa, Kayembe, Paciência, André Silva, Tomás ou Kelvin? 
Até que me provem a mim o contrário, o Julen Lopetegui pode ter vindo para ser até campeão europeu; o que não veio foi para potenciar a formação do clube!

O que eu critico é a viragem repentina para um mercado a pedido expresso de um treinador sem nada provado, sem filtro nenhum, tapando-se espaço à formação e a algumas das apostas prévias do Clube e sem o menor critério.

Eu não conheço as valências de Lopetegui como treinador; não segui o seu Castilla e o seu Rayo ao detalhe. Porque, não confundam: ser seleccionador e ser treinador de clube não é, nunca foi e nunca será o mesmo.

A estrada é longa mas cheia de caminhos paralelos. Clube preferiu entregar o Futuro a mãos alheias aos sócios que decidiram a rota a seguir este ano. Pode - e não tenho muitas duvidas que o seja - até ser saldada com títulos, mas, a médio prazo, vai deixar o Clube muito pior do que já estava.

O que esta SMS alerta, e para quem leu nas entrelinhas, é para a venda, nem que seja de forma dissimulada, dos destinos deste Clube a médio prazo a mãos perigosas em prole de um titulo que, parece, se não for conquistado se irão apagar 30 anos da mais absoluta hegemonia conseguida por um clube numa das 6 ligas mais importantes do Mundo.

»


a estes argumentos falaciosos e proferidos antes de tempo, qual "velho do Restelo", escudo-me num comentário que teci no extremamente azul "mística azul-e-branca", à última prosa do caríssimo José Lima ("obrigações, o 'banco mau' e a formação"), secundando uma opinião que formulei em Abril deste ano

«


a formação azul-e-branca já vai dando alguns (tímidos) sinais de vida. 
excepção feita para Ruben Neves, há o exemplo dos seleccionáveis que estiveram na Hungria e que tão boa conta deram de si. e que, por muito que doa a alguns e que façam passar a mensagem contrária, do onze-base, cinco jogadores são formados no FC Porto.

depois, ainda temos a nossa equipa B que acredito que irá dar frutos. e dos bons. temos é que ter paciência e ter a consciência de que, no Presente, 'Champions' é o caminho, pelo que não há espaço para experiências. assim sendo, quem chegar aos AA, terá que "pegar de estaca". e não há lugar para testes, como aconteceu com o Tozé, numa estreia singular e irrepetível - assobiado ao segundo remate menos conseguido (momento que não esquecerei).

»


portanto e assim concluo este tema, não critico por criticar quem "reflecte" da forma como os "lourenços pereiras" desta vida o fazem. apesar de deles discordar bastante e veementemente, estão no seu pleno direito, pois que se há algo que a geração de Abril de '74 concedeu às vindouras foi o direito à Liberdade de Expressão. agora, também não deixo de considerar que o deveremos fazer de forma séria e sobretudo responsável. é que ler o que acima se reproduz é mais próprio de outros locais, mormente afectos a outras cores que não o azul-e-branco, logo (e por inerência) interpretado como «factor de divisão» e de «instabilidade» no seio da nossa massa adepta.


para finalizar, segue-se uma série de seis imagens para alguém que, via e-mail, afirmou que:

«


Dia de supertaça é dia de homenagem. Foi na supertaça de 1992 que o país assistiu a um árbitro em fuga. Como foi dito pelo 'Orelhas', há dois anos atrás: «Vergonha é recordar José Pratas a fugir»
Esse foi um dos mais vergonhosos episódios do futebol português, e é também um dos mais reveladores do que é na realidade o FC Porto.

»


© google

© google

© google

© google

© google



"disse!"


segunda-feira, 11 de Agosto de 2014

dessas dicotomias calimeras (ou de como as interpretar à minha maneira)


© google | Tomo II
(clicar na imagem para ampliar)

«


a revolução no spórtém: parte XXXI


entretanto, a "bomba" tinha rebentado: Paulo Pereira Cristóvão, vice-presidente do clube, é apanhado numa trama, visando um árbitro assistente, Cardinal, ordenando a um sequaz que, num multibanco, depositou uma quantia. [sic] 

a notícia "estala" nos ouvidos dos adeptos calimeros que, incrédulos, não querem acreditar [sic]. mas, as evidências são demasiadas: o clube, até aí impoluto, orgulhoso, cora de vergonha perante um escândalo sem precedentes na sua história. 

a repulsa de todos os quadrantes, no clube, é geral. 
no Conselho Leonino, eduardo 'cutty sark' bOrroso, os Sampaio, todos!, reprovam "o feito". godinho 'flopes', alegando que nada sabia, resiste às pressões, adinado o óbvio. Cristóvão, entricheirado, clama inocência, dizendo-se «alvo de uma cabala» contra o clube [e mesmo que o considere «autofágico»]. na Direcção, Rui Paulo Figueiredo ameaça "bater com a porta"...
mas, não há como fugir [à verdade?] e, em Junho, Paulo Pereira Cristóvão resigna.

entretanto, Oceano, ao leme da equipa, não consegue endireitar o barco, num mar encapelado. o clube agita-se; godinho resiste e prepara mais um "golpe de asa". fala-se em mudanças, numa remodelação.
'burro' do Carvalho visita-me...

»

autor: josé eduardo 
fonte: pasquim da Travessa da Queimada (2014-08-09) 
ps: os negritos, os sublinhados, os itálicos e os destaques são da minha responsabilidade.


caríssima(o),

a brevíssima descrição do autêntico "circo Cardinal" experimentado (a um nível absolutamente  ridículo, diga-se...) lá para os confins da agremiação do Lumiar é da autoria do sr. zé eduardo...
sim!, exacto! esse mesmo calimero nojentinho, armado em intelectual(óide) da bola, que, a 25 de Janeiro de 2014 e a 08 de Fevereiro de 2014, teceu-nos, ao Clube e à figura do nosso querido líder e grande presidente que é, uns "simpáticos" considerandos sobre «chico-espertice», «corrupção», «manipular resultados», «intervenção de "operacionais, «trapaças, batotas, escândalos»... 

pois claro que sim!, sr. eduardo... olhe, como se diz cá pela minha terra, "pimenta no cu dos outros é refresco para mim"... e, "para bom entendedor, meia palavras basta". e, já agora e porque estou embaladinho, "que lhe cresça um pinheiro - de preferência, atravessado -, onde o Sol não brilha, de cada vez que ousar, sequer!, pensar na instituição Futebol Clube do Porto". este último não é um adágio; é mais um sentimento de forte desejo por um verdadeiro parvalhão não conseguir admitir que não há clubes «impolutos», muito menos o spórtém - essa agremiação que até árbitros levou à China na sua comitiva, após finais da Taça de Portugal, conquistadas sabemos nós como...


para finalizar, e porque (felizmente) não tenho memória curta, não me esqueço do que muitos escreveram a propósito do Beto, na última final da Liga Europa - mormente os lampiões de serviço e ao dispor daquela agremiação (dita) «gloriosa», que pululam lá para os lados da Travessa da Queimada.
para todos eles, dedico-lhes este vídeo (aqui). e a sugestão de lerem o que se escreve a propósito da Lei 14 ("marcação da grande penalidade"), mormente da colocação do guarda-redes da equipa defensora (aqui, a páginas 44)
se forem honestos, isentos e imparciais, saberão que o artur foi tudo menos um «ás» e que o seu «momento Júlio César» - como lhe dedicou o "intestino" do delgado, na edição impressa desta Segunda-feira - foi alicerçado numa farsa. ou seja, tal e qual como com as acusações que dirigiram ao Beto, em Maio último e que, em Junho, ainda eram muito mal digeridas...

mas, como eu sei que "isso" não vai lá só com hiperligações, pois que dá algum trabalho, eis uma série de imagens pertinentes, no momento em que a bola parte em direcção à baliza:



© Tomo II
(clicar na imagem para ampliar)


"disse!"