sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

do não se "amochar" (nunca!)... [com 'brasão abençoado' incluído]


© google


caríssima(o),

eis uma resposta oficial (porque provém de um endereço electrónico do "i") ao meu e-mail matinal, e que revela muito da estirpe de que é feito algum do jornalismo luso, com posterior "recadinho" para quem de direito, que eu cá não sou de ficar caladinho e de "amochar", sobretudo quando tenho a mais firme convicção de que eu certo das minhas certezas e das minhas verdades.

já agora, informo-te de que:

i) 


deixo os considerandos para ti e para o que te aprouver dissertar na caixa de comentários, ali em baixo;


ii) 


dão-se alvíssaras a quem correlacionar o teor da primeira parte desta "posta de pescada"® com a imagem que a "embeleza";

iii) 


na segunda parte desta "posta de pescada"®, para quem tiver interesse e para memória futura, fica o que de melhor foi publicado na edição desta Sexta-feira, no pasquim da Travessa da Queimada.
é logo a seguir ao «gosto» do "faceboKas"®, em «'no pare, sigue, sigue'» ;)



«

Bom dia. 
Trabalho no "i" e sou do FC Porto. 

Dito isto, só para lhe dizer que as idiotices que você escreve deveria guardá-las para si e para quem tem a paciência de aturar idiotas. 
Como já sei que «grande Rui» não lhe vai responder, porque não está ao seu nível, não resisti a baixar o meu e responder-lhe no seu patamar de estupidez.

Só uma sugestão: para além de mim e apenas esta vez, ninguém quer saber das suas opiniões, ninguém sabe quem é o "chato do Tomo não-sei-quê" e está-se tudo a marimbar para a sua prosa mal escrita. Sugiro que vá insultar os seus amiguinhos e aqueles cuja a ignorância é tão grande que ainda o aturam.

»



ao que se seguiu:


«


exacto, sr. Augusto.

devemos ser "carneirinhos" e "amochar", não é?

e, não necessita de subir ao meu nível de educação, pois que o seu nível rasteiro de "jornalista" e a sua resposta ao meu e-mail denuncia o muito "portista" que o sr. é.

e o nível «de idiotice» da sua resposta é que é de pasmar, pois que nem sequer aborda a questão de o pasquim onde o sr trabalha ter ofendido o nome do treinador do FC Porto, apelidando-o de «flopetegui» e o sr não "os" ter tido no sítio para se insurgir contra esse facto - numa prova cabal de que, mais do que o seu "portismo", estaria a defender a Deontologia da sua profissão.
mas, claro... o sr. «está-se a marimbar» para isto tudo, não é? é o sr. e o «grande Rui»...

o administrador do Tomo II
Miguel Lima

»


"disse!"



dos flopes jornalísticos desta vida...


© google | Tomo II
(clicar na imagem para ampliar)



exmos senhores,

o meu nome é Miguel Lima e sou um fervoroso adepto do Futebol Clube do Porto.
caso ainda não estejam recordados da minha pessoa, sou o "chato do gajo do blogue 'Tomo II' "... exacto!, esse mesmo...

peço desculpa por vos incomodar numa manhã de uma Sexta-feira, mas ele há coisas que não podem esperar por um Amanhã, sequer por um "em breve".

pela presente mensagem, apresento-vos uma pertinente reclamação, enquanto cliente regular do v/ pasqui... "jornal".
esta refere-se à v/ "simpática capa" do passado dia 22 de Outubro, Quarta-feira, bem como à análise ao jogo por parte do v/ "jornalista", Rui Miguel Tovar, que a seguir se reproduzem, para memória futura:


© Tomo II
(clicar na imagem para ampliar)



mais vos informo de que só a apresento na presente data pois que, neste entretanto, aguardei por (i) um pedido formal de desculpa pela v/ parte aos visados na estória que a seguir se conta, e por (ii) uma reacção formal e oficial por parte destes últimos. 
à data e hora em que redijo estas linhas, nenhuma daquelas situações (ainda) aconteceu.

não vos irei maçar com o «fundamentalismo» empregue na expressão (extremamente deselegante) trazida à capa e que se refere ao treinador basco do FC Porto como «Flopetegui».
apenas vos recordo que, talvez seja pela utilização daquela inqualificável qualificação - plena de ironia, mas ao mesmo de má-criação e de inversão, de sonegação e de atropelo a todas as regras deontológicas da profissão de jornalista -, repito: talvez seja a utilização de inqualificáveis qualificações como aquela, que faça que o v/ pasqui... "jornal" seja líder de vendas em território nacional e um título de referência no panorama jornalístico luso.

mais: talvez fosse pertinente oferecer pelo Natal (que já está próximo, como se confirma por uma qualquer ida fugaz a uma superfície comercial de uma qualquer área urbana em território nacional), uma cópia do "Código Deontológico do Jornalista" a Rui Miguel Tovar, o "artista" que teceu considerandos acerca do jogo dFC Porto vs. Athletic de Bilbao muito certamente a partir do seu quarto de um qualquer 'streaming' manhoso. 
(e para além de lhe recordar que o nome do treinador em causa é Julen Lopetegui. e que o único 'flope' nesta estória toda é a falta de graça de um "jornalista" que resolveu fazer uma graçola numa notícia que não teve qualquer graça só para alguns «gloriosos» jornalistas, como o sr. Rui Miguel Tovar.)


portanto, o que singelamente e sem «fundamentalismos» lhe pretendo transmitir, é tão-somente o meu mais profundo desagrado pela forma desabrida, desenxabida, torpe, vil, canalha e muito pouco Ética, que os srs., via "jornalista" Rui Miguel Tovar, se referiram a essa instituição centenária que dá pelo nome de Futebol Clube do Porto e por inerência, à pessoa do seu actual treinador da sua equipa profissional de futebol sénior - o basco Julen Lopetegui (sim!, recordo-vos de que é este o seu nome de baptismo).


para finalizar e sem vos querer tirar muito mais tempo, lanço-vos uma rápida pergunta à qual, não nego, agradeceria uma resposta da v/ parte:

pergunta)

não acham que é legítimo que os adeptos portistas que, tal como eu, compram o pasqui... "jornal" onde o sr. Rui Miguel Tovar tão «gloriosamente» escreve, considerem que quem trabalha para o 'i' não são mais do que uns jornalistas vendidos aos clubes da Segunda Circular, sendo seus autênticos pés-de-microfone e que não passam de uns verdadeiros "invertebrados", cujo Rigor, Ética e Deontologia a que estão obrigados, são diária, quotidia e «gloriosamente» ignorados?


hão-de convir que é uma pergunta pertinente e que se foca sobretudo no devido contraditório de matérias que o v/ pasqui... "jornal" edita diariamente e que têm sido abordadas de uma forma (digamos assim) muito "enviesada", ignorando aquelas premissas deontológicas, referidas anteriormente.

também terão que concordar que a v/ resposta a esta questão permitirá elucidar os leitores afectos ao Futebol Clube do Porto no que concerne ao tratamento jornalístico dado ao quotidiano do clube e que o v/ pasqui... "jornal" insiste que «não é diferenciado».


despeço-me, apresentando os meus melhores cumprimentos e reescrevendo a minha ideia final, patente em mensagens anteriores, por ser algo em que acredito:

« sei que "isto" mais não é do que um desabafo de alguém que gosta de Futebol e é indefectível portista. se comparado, com a situação económica do nosso País, por exemplo, este assunto «são 'peaners'»... 
mas, também compreenderá que não poderia ficar calado com (mais) esta incongruência do foro do tratamento jornalístico que o seu jornal "brinda" os leitores afectos ao FC Porto diariamente... »


somos Porto!, car@go!  
«este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»! 


o administrador do Tomo II
Miguel Lima


quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

«esperanduquê»*? assobiar para o lado?



© pasquim do sr. serpa | ricardo galvão
(clicar na imagem para ampliar)



caríssima(o),

deixemos de lado, por breves momentos (i.e., até ao próximo jogo em casa...) a enervante questão dos assobios. cuja génese actual de tão irritante eanti-desportivo hábito poderá radicar nesta pertinente questão levantada pelo RCBC, em comentário no "bibó FC Porto, car@go!":

«


É urgente que internamente se reflicta, de forma séria, sobre:

1) alvaláxia: mau passe de Ruben Neves na primeira fase de construção de jogogolo do adversário!

2) Donetsk: mau passe de Óliver na primeira fase de construção de jogo… golo do adversário!

3) Donetsk: erro de Maicon na na primeira fase de construção de jogo… golo do adversário!

4) Estádio do Dragão, ante o SC Braga: mau passe de Brahimi na primeira fase de construção de jogo… golo do adversário!

5) Estádio do Dragão, ante o spórtém, Marcano... autogolo!

6) Estádio do Dragão, ante o spórtém: mau passe de Casemiro na primeira fase de construção de jogo… golo do adversário!

7) Estádio do Dragão, ante o Athletic Bilbao: mau passe de Herrera na primeira fase de construção de jogo… golo do adversário!


»


como confio no trabalho desenvolvido (até à data e hora em que redijo estas linhas) por Julen Lopetegui, tenho a mais firme convicção de que não se irá "assobiar para o lado" acerca dos factos contidos naquele comentário.

ainda acerca da realidade do quotidiano azul-e-branco, e tendo em linha de conta a demonstração dos resultados (negativos) consolidados da SAD portista para o exercício de 2013/2014, consta que a tal questão dos vencimentos da SAD portista parece que mete aflição (também) a "muito boa gente"...
ok! não vou negar as evidências de que (i) um resultado negativo de 40 milhões de euros é mau e que (ii) tendo em consideração aquele valor e numa época desportiva francamente má e bastante deficitária, despender (quase) 2.7 milhões de euros em remunerações e gratificações não será propriamente o melhor exemplo para se demonstrar à saciedade, mas sobretudo aos accionistas, aos sócios e à massa adepta portista em geral, que o Conselho de Administração da SAD azul-e-branca pretende dar (e ser) o exemplo de uma nova linha de rigor e de redução da despesa...
no entanto e sem (in)tentar pretender "assobiar para o lado" perante esta realidade factual, proponho-te o exercício de encontrares igual referência à descriminação de igual tipologia de valores em relação à SAD do 5lb... é que (alguns de) nós e a opinião pública em geral, estamos indignados tão-somente porque a SAD portista os divulgou;os outros e como se pode ler aqui, não se sentem à vontade (?) para o fazer porque (e cito) «a SAD não divulga os parâmetros para as remunerações e prémios do exercício fiscal»...

no fundo, é só mais um exemplo da propaganda jornalística ao «glorioso» serviço da agremiação de Carnide, no sentido em que a esmagadora maioria da nossa abjecta, muito parcial e demasiado facciosa Comunicação Social nacionale sempre com o beneplácito da estação (cada vez menos) pública de televisão - agora sem o prestimoso contributo de hélder conduto...- prefere extrapolar e empolar o que alguns divulgam e não se questiona das razões por que os outros não o fazem (quando deveriam)...


(clicar na imagem para ampliar)



já agora, também não "assobio para o lado" acerca da candidatura única do visconde calimero Duque para futuro Presidente da Liga Portuguesa de Futebol (muito pouco) Profissional.
na minha opinião, trata-se de um nome que foi consensual dentro da esmagadora maioria dos associados daquele órgão que actualmente é incapaz de gerir os destinos do Futebol profissional luso. a única voz dissonante é a de um rufia que chegou há muito pouco tempo ao dirigismo e cujo clube que dirige foi um dos oito (num total de quarenta e dois!!!) que teve a "ousadia" de votar em mário de figueiredo, no último grande golpe palaciano do séc. XXI no nosso comezinho futebol e a desfaçatez de publicar (mais) um comunicado a insurgir-se contra o seu «desnorte»...
enfim...


© google | kosta de alhabaite
(clicar na imagem para ampliar)


a resposta à pergunta da imagem acima surge na tal questão do protesto calimero junto da UEFA e cujos desenvolvimentos, mais do que hilariantes, expõem todo o ridículo de uma "causa" que só subsiste em mentes que não estão habituadas a participar com regularidade na mais prestigiada prova da UEFA. e que preferem "assobiar para o lado" quando não reconhecem que dois dos golos sofridos aconteceram em lances de bola parada com graves falhas defensivas...
mas, claro, essa não é a forma como os calimeros encaram mais um desaire 'uefeiro'. nem sequer é e a versão do meu amiguinho rogerinho aze(ve)do sobre a mais recente eliminatória da Champions, cujo desempenho portista - o único que foi capaz de triunfar - foi o mote para a mais recente guerrinha do 'sinhôre' fernando, em jeito de editorial... felizmente que não fui o único a "assobiar para o lado" perante mais uma enorme quantidade de fel, de azia e de anti-portismo primário destilada publicamente, tal como se pode ler aqui...




para finalizar e porque esta prosa já vai muito longa, duas breves notas:


i)

relevo para a pertinente crítica de José Manuel Ribeiro, n'OJOGOdesta Quinta-feira;

ii)

destaque para onojento artigo do huguinho vasconcelos, publicado no pasquim da Travessa da Queimada desta Quinta-feira, em que só apetece descer de nível e singelamente perguntar-lhe "e se te fosses f*der?". e também "e se fosses para o car@**o?"...



* esperanduquê - título de uma g'anda malha de Gabriel, O Pensador.



"disse!"

desse "apoio contagiante"...


© google


«


«durante 15 minutos todos fomos FC Porto»

esse é que é o problema: não deveria ser durante «quinze minutos», mas sim durante noventa minutos.

infelizmente há adeptos que não o percebem, e preferem comportar-se como um qualquer visitante... enfim... devem ser os mesmos que foram ao estádio e perderam o "momento Kelvin" em directo, ao vivo e a cores...
para eles, a minha indiferença e o desejo de que sejam felizes nessa sua pobre vidinha. é que já não tenho paciência. nem estofo. nem pachorra.

---

«bem... a partir do momento que vejo portistas a criticar os assobios, mas eles mesmos só criticam...»

não sei se foi para mim, mas acusei o "toque".
pelos outros portistas, não falo; fá-lo-ei só e em exclusivo à minha pessoa, sem peneiras, falsas modéstias e/ou arvorar-me em ser maior portista seja de quem for.

eu, por razões económicas, numa época desportiva, costumo ir, em média, cinco vezes ao nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos.
de todas essas vezes, com um enorme brio e orgulho portista, trajo-me com uma camisola do nosso Clube e levo um cachecol para descarregar as angústias e festejar efusivamente as alegrias.
de todas essas vezes, com um enorme brio e orgulho portista, levanto-me assim que a nossa equipa entra em campo.
de todas essas vezes, com um enorme brio e orgulho portista, entoo o nosso hino, do princípio ao fim e, não raras vezes, com pele de galinha e muita comoção e sempre com aquele cachecol bem esticadinho e bem alto.
de todas essas vezes, com um enorme brio e orgulho portista, prefiro aplaudir um passe falhado e acreditar que esse mesmo jogador tudo fará para não repetir o erro, a insultá-lo de meia-noite e mandá-lo para três ou quatro sítios que eu cá sei.
de todas essas vezes, com um enorme brio e orgulho portista, colaboro com os Super e o Colectivo nos cânticos de apoio à equipa - pois, se não fossem estes e em inúmeras vezes, tive sempre a sensação de já ter estado em velórios bem mais animados.
de todas essas vezes, com um enorme brio e orgulho portista, fico até ao final da partida e um pouco mais, se for necessário.
de todas essas vezes, com um enorme brio e orgulho portista, e porque não sei fazê-lo, não assobio. e porque não tenho, nem lenços brancos levo comigo.

se "isto" faz de mim melhor portista do que tu ou seja de quem for? repito: não, não faz! mas certamente que coloca menos pressão numa equipa que já joga "sobre brasas".

e, já agora, pergunto-te se gostarias que, no teu posto de trabalho, tivesses os teus colegas a assobiar tudo e mais alguma coisa que fizesses - fosse ela bem ou má? se te sentirias bem contigo próprio e com os teus colegas assobiadores? e se consideras que conseguirias ser produtivo e eficiente?

»



caríssima(o),

esta foi a minha resposta a um comentário publicado no (visualmente renovado) "dragão até à morte", do caríssimo dragão Vila Pouca.

como não me canso de o repetir, o meu portismo não é maior do que o teu. e a minha forma de o expressar e de manifestar (também) publicamente este nosso Amor comum, certamente que será (bem) diferente da tua, a qual desde já afirmo que respeito.

agora não me peçam para concordar com os assobios à nossa equipa do coração.

as razões por que o afirmo são públicas e sobejamente (rer)conhecidas e as explicitadas naquele singelo comentário são "uma gota de água" na imensidão de "um oceano" delas.
mais: os assobios nas bancadas do nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos são uma forma (recente?) de manifestações de um certa sobranceria, de uma arrogância, de uma ingratidão de uma franja do público para com os atletas que envergam o nosso manto sagrado durante o tempo que medeia o apito inicial do árbitro até que este último decide dar por concluído o encontro.
pelo menos, esta é a minha forma de perspectivar o "apoio" por parte de quem, por exemplo e não estou a exagerar, ao primeiro passe transviado já está a insultar do piorio um jogador do nosso clube do coração.
mais ainda: atente-se nos argumentos invocados no comentário abaixo (publicado também no "dragão até à morte"):

«


Discordo completamente consigo. Sejamos sinceros: nesta altura já se deveria ver Futebol; com este investimento em jogadores de grande qualidade pretende-se muito mais.

É uma falta de respeito aos sócios com lugares cativos, estando eu incluído, apresentar um futebol sofrível como é apresentado. Cada vez mais o futebol é um espectáculo; eu pago e pretendo ver o espectáculo. Quando não apresenta com certeza que fico irritado.

Mais uma vez, o treinador não me convence: a equipa não sabe defender; o 'tiki-taka', meus amigos... vão brincar com outros! Mas desde quando que bascular do central para o lateral e volta ao central, seguido de chuto para a frente, é futebol?!

Sejamos coerentes: é mau de mais! 
O Vítor Pereira, com este plantel, faria coisas muito mais "engraçadas"; pelo menos a equipa sabia defender, havia jogo interior, ligação entre sectores e pressão alta. Com esta qualidade de plantel, tenho a certeza que fazia coisas boas!

E quanto à massa adepta: o FC Porto é o melhor porque somos exigentes.
Se vocês se resignam em perder, é com vocês; eu prefiro ganhar, e quando as coisas não estão bem, e o que é o caso, como sócio pagante e adepto tenho o direito em demonstrar o meu desagrado.
Se os jogadores ficam intimidados, temos pena! Que corram, que se apliquem, que justifiquem o salário que ganham, que deixem de ser chorões! 
Uma equipa com espírito guerreiro não vem lamentar, o que não é o caso. Como grupo somos "meninos". Basta recordar o que se passou com o spórtém.

Bem hajam os adeptos exigentes!

»


está "tudo lá". não fui eu quem o escreveu; não inventei rigorosamente nada. e é muito fácil (infelizmente...) depararmo-nos com estes portistas nas bancadas do Estádio do Dragão - curiosamente já não nas do Dragãozinho...
no meu entendimento, ppor muito respeito que por eles tenha, discordo veementemente da sua forma incondicional (una?) de "apoiar" a nossa equipa do coração.
porque, não nos iludamos: é exactamente esse o nosso papel, enquanto espectadores (pagantes, ou não; associados, ou não; com lugar cativo anual, ou não) de um desafio de futebol em que participa a nossa equipa de Sempre, i.e., seremos sempre apoiantes fervorosos e indefectíveis do nosso Futebol Clube do Porto.
e, de igual forma, na exacta proporção do sentido diametralmente oposto, não nos passará nunca pela cabeça comportarmo-nos como um qualquer adepto afecto ao clube visitante e na nossa própria casa! afinal, em nossa casa mandamos nós, car@**o!!!

felizmente que não sou uma luminária e que não estou sozinho neste tipo de pensamento, como se poderá conferir aqui. e aqui. e aqui. e aqui. e aqui. e aqui. e aqui.


post scriptum pertinente:


no texto acima, poderia referir o exemplo dos adeptos da AS Roma, na última partida para a Champions.
ou até o ambiente que antecede qualquer jogo em San Mamés e que gostaria de ver no nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos.
já para não "falar" do que acontece no Westfalenstadion, em Dortmund. e por aí fora, mesmo em Inglaterra.
pois que prefiro "olhar" para nós e para o que acontece no Dragãozinho. não seria mesmo muito "interessante" replicar aquele ambiente no Estádio do Dragão? será assim tão difícil e em todos os jogos?
fica lançada a pergunta. e o desafio para quem de direito.



"disse!"



terça-feira, 21 de Outubro de 2014

beti egiteko irabazteko*


© fotos da curva


caríssima(o),

houve futebol (de Champions). houve emoção. houve atitude. houve entrega. houve paixão. houve suor. houve transpiração. houve abnegação. houve solidariedade. houve concentração. houve raça.

houve surpresa. houve rotatividade. houve aquela (dizem que é) «teimosia» do treinador basco, mas para melhorar a equipa. houve leitura do jogo. houve táctica. houve trabalho. houve mérito. 
houve bola basca no poste portista. houve batimentos cardíacos ainda mais rápidos.

houve êxtase. houve comoção. houve histerismo. houve rouquidão. houve raiva. houve alívio. houve o golo de (dizem que é) um dos "patinhos feios" do actual plantel. houve a oportunidade tão desejada e concretizada num momento-chave: mesmo no final da primeira parte.

houve retrocesso. houve complacência. houve distracção. houve um (imerecido) empate no marcador.
houve angústia. houve roer de unhas. houve passar a mão por rostos fechados. houve esganar cachecóis. houve intranquilidade. houve ansiedade. houve dúvida. houve treinador. houve banco.

houve magia. houve o arrebatamento sublime do espírito. houve alvoroço. houve excitação. houve o doce consolo de nova tranquilidade no marcador. houve o render do adversário, a partir do banco de suplentes. houve a contemplação da plateia por parte do cigano, a partir do círculo central. houve rendição ao talento. houve o agradecimento do artista. houve simbiose. houve um momento de comunhão.

houve futebol de Champions. há liderança no grupo H. há motivos para orgulho.

mas... e há sempre um "mas"... houve aqueles irritantes assobios à equipa do meu coração que me fizeram desligar o som do televisor. aliás, houve demasiados assobios durante toda a partida, num encontro de vital importância para o Futuro do meu FC Porto
para ti, que passaste noventa minutos a ensurdecer (não só) os meus ouvidos, os meus votos de "parabéns!": conseguiste que, pela primeira vez, desejasse ardentemente a adeptos como tu que metesses o filho da p*t@ do teu assobio no olho do teu cu aziago. e também que fosses para o c@r***o que te f*desse mais o c@brão do teu pessimismo, junto com o apoio de autêntico paneleirote que és/foste/és/continuarás a ser sempre que fores para o meu teatro de sonhos azuis-e-brancos com esse espírito de adepto visitante. 
para adeptos como tu, a "revolução" que os digníssimos personagens que se seguem encetaram desde 1977, mais não foi do que um conto de fadas que nunca perceberás, entretido que andas a f*der o meu juízo e de todos os outros portistas que, como eu, gostam de ver Futebol e torcem apaixonada e indefectivelmente pelo Futebol Clube do Porto, independentemente dos treinadores e/ou jogadores que enverguem a sua cor, desde que esta seja por eles respeitada: 

© FC Porto


* 'beti egiteko irabazteko' : basco para "é sempre para ganhar!"



"disse!"




feliz de ti... ['nortada' incluída]


© fotos da curva | Tomo II


» que te vais vestir a preceito e com muito brio, extremo orgulho e demasiado sentimento portista, o nosso manto sagrado, para ires "ver a bola";

» que vais poder ir ao nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos, esta noite, assistir «ao vivo e a cores» a nossa equipa do coração;

» que vais poder entoar, a viva voz, o hino do nosso clube do coração, junto com outros milhares de adeptos fervorosos e indefectíveis como tu;

» que vais erguer bem alto o teu cachecol azul-e-branco;

» que vais poder cantar, com paixão clubista, muitos dos nossos cânticos de apoio à equipa;

» que (assim se espera) vais poder gritar "gooolooo!" até ficares rouco de emoção;

» que vais poder bater palmas de incentivo à nossa equipa do coração, sempre que assim sentires necessidade de tal;

» que vais ser dos últimos a abandonar o estádio, rumo ao teu "lar doce lar" e para junto do aconchego dos que (também) te são mais queridos;

» que não te revês na esmagadora maioria das palavras críticas do nosso enfant terrible, Miguel Sousa Tavares, na sua última NORTADA, sob o título "agora, basta de brincadeiras, 'mister'!" (aqui);

» que, depois de leres a última guerrinha do sr. fernando "a revolução dos cardos" (aqui), te controlaste ao ponto de não lhe teres enviado um e-mail a desejar-lhe votos sinceros de "muitas felicidades", que lhe cresça um pinheiro (atravessado) onde o Sol não brilha e que vá para a real p*t@ que o pariu;

» que subscreves a mensagem subliminar da imagem que se segue, a qual não pode ser dissociada desta aqui:

© google



post scriptum pertinente:


ele sempre esteve presente. e sempre esteve connosco. e permanece igual a si próprio e aos princípios que defende desde o primeiro dia que assumiu funções no Clube. no nosso clube do coração.


"disse!"


segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

e se mantivéssemos a calma?



© google


caríssima(o),

quem me conhece, sabe que não vivo no mundo dos ses (mesmo que) plausíveis, pois que prefiro a dureza da pragmática Realidade à falácia fantasiosa de um qualquer «suponhamos que»...

e o que aquela duríssima e insensível realidade futebolística actual nos transmite, a propósito do quotidiano do nosso clube do coração, é de que as últimas cinco partidas disputadas (após a goleada ao BATE Borisov, portanto) foram marcadas por alguma inconstância exibicional, à parte os erros de arbitragem que houve naquelas (que foram alguns e em nosso prejuízo desportivo). e, também, por alguma inconsistência em termos de onze-base definitivo - vulgo "rotatividade". e que, nessas partidas, o 'score' de golos foi de 6-7, com alguns dos sofridos a fazerem muitos de nós recuar a um passado recentíssimo...
enfim... não vou ser fastidioso ao ponto de enumerar o muito que tem corrido mal, pois que, quem me conhece, sabe que prefiro encarar a mesma Realidade pela perspectiva do 'copo meio-cheio". e apesar de, tal como a C., estar completamente f*dido dos cornos.

agora e pese embora essas lacunas - ou «esses pequenos detalhes que decidem jogos», para parafrasear Julen Lopetegui -, o que a mim me entristeceu verdadeira e sinceramente, foi ler centenas de comentários, em muitos dos meus locais de referência ness"maravilhoso mundo que é a bluegosfera"®, a autenticamente e sem apelo nem agravo, a tanto «malhar na esquerda conservadora» como «malhar na direita», como «malhar em tudo» o que diga respeito ao FC Porto...
tal como o caríssimo dragão Vila Pouca, o que lamento profundamente é a crítica fácil com que se coloca em causa o muito que já vem sendo construído ao longo destes três meses. uma crítica tão fácil de ser construída como os assobios ao serviço das equipas visitantes ou dos ridículos (por que absurdos) lenços brancos (!!!) que se viram nas bancadas do nosso teatro de sonhos azuis-e-brancos, este passado Sábado.
e um crítica que, no meu entendimento, é igualmente desmontável. por exemplo e a propósito do encontro para a Taça de Portugal, convém salientar que:

» doze (repito: doze) jogadores do nosso plantel principal participaram na dupla jornada para encontros de carácter de selecções;

» Julen Lopetegui teve menos de vinte e quatro horas com a totalidade dos jogadores do plantel principal para preparar a partida ante o spórtém;

» Brahimi foi um dos jogadores que regressou da selecção com mazelas físicas.


mais do que encontrar desculpas para uma má exibição, há que perceber que existem variantes que não são mensuráveis, como a percentagem de posse de bola ou o número de passes certos.
assim sendo, pelo exposto e para não ser ainda mais chato do que já sou, subscrevo (na íntegra) o "direito de resposta" invocado por Jeannie Ferrami, no "portistas anónimos", bem como a invocação do "há que reagir!", por parte do RCBC, no "bibó FC Porto, car@go!".

e, tal como Julen Lopetegui (sim!, é este o nome de baptismo do treinador basco do FC Porto) afirmou ao final da manhã de hoje, também eu confio no trabalho desenvolvido e no seu projecto desportivo - que, convém recordá-lo, será de três anos, tantos quantos os anos da duração do seu contrato de trabalho...

nunca mais é Terça-feira, car@go!





pelas razões expostas em Março de 2014 e também a 09 de Outubro de 2014, acho de uma calimera petulância afirmar-se «isto é só o começo!»...
(para além de se conspurcar caixas de comentários de uma cor clubística diferente da de quem nelas (in)tenta nelas escrever e bastante indiferente à "verdade desportiva" de quem a invoca, mormente misturando «fruta» com «bananas» e flatos, e esquecendo-se dos depósitos de cheques no BANIF...)


"disse!"



sábado, 18 de Outubro de 2014

da minha azia (e nao so) [editado*]




carissima(o),

directamente de Alfandega da Fe e utilizando um "telefone esperto" mas um pouco "burro" a proposito das regras de acentuacao portuguesas, tenho a confessar que: 

» perdemos uma partida, em que estavamos obrigados a vencer, por culpa exclusivamente propria; 

» ainda ha muito trabalho pela frente, apesar do muito que ja foi feito em menos de tres meses - os tais «detalhes», como reconheceu Julen Lopetegui na conferencia de Imprensa; 

» para os assobiadores de servico, convem recordar que houve (pelo menos) quatro poupancas no onze principal, ante um adversario que jogou na maxima forca; 

» apesar da azia desta derrota e por numeros exagerados, estou em crer que ainda seremos desportivamente muito felizes, esta epoca; 

» quem nao se sabe comportar nas derrotas nunca sera um grande desportista nas vitorias. este recadinho (tambem) serve para quem por aqui passou a desejar-me "muitas felicidades". para voces, o meu sentido desprezo, com votos sinceros de que vos cresca um pinheiro (atravessado) onde o Sol nao brilha. 


"disse!"


[* editado em termos de inserção de foto e de formatação de um estilo muito próprio deste espaço. quanto às regras de acentuação e porque achei "curioso" todo o processo que levou à publicação desta "posta de pescada"®, optei por manter o original.]



sexta-feira, 17 de Outubro de 2014

desses silêncios cúmplices... ['brasão abençoado' incluído]


© pasquim do sr. serpa | Ricardo Galvão
(clicar na imagem para ampliar)


» na Quinta-feira, dia 16 de Outubro de 2014, o pasquim editado pelo "belenense" do sr. serpa public(it)ou o cartoon acima reproduzido, e com o qual concordo.
hoje, Sexta-feira, dia 17 de Outubro, na véspera do Clássico a contar para a Taça de Portugal e depois de algum silêncio comunicacional por parte do zmerding - ao qual certamente não terão sido alheias, nem seguramente terão caído em saco roto, estas pertinentes reclamações -, o mesmo pasquim tem a "coragem" de publicar o seguinte nojo jornalístico:

© pasquim do sr. serpa
(clicar na imagem para ampliar)


» para além da capa que acima se reproduz, o textinho de nuno raposo (aqui) também não deixa de ser extremamente "delicioso". então o título «leões a mais para a 'jaula' do Dragão»...

» não posso deixar de registar que, no mesmo pasquim, se para uns há uma «'jaula'», para outros houve a estreia de uma «caixa de segurança»:

© pasquim do sr. serpa
(clicar na imagem para ampliar)


» na edição impressa de hoje, Sexta-feira, dia 17 de Outubro, o que efectiva e comprovadamente se atesta como válido para (uma boa) leitura é o último artigo de opinião de Pedro Marques Lopes, sob o título "basta que o alvo seja o FC Porto" (aqui), na sua coluna de opinião BRASÃO ABENÇOADO.

» mesmo parecendo "um oásis" e/ou um epifenómeno parecido com o cometa Halley, pelos vistos ainda há quem pense pela sua própria cabeça no lixo tóxico do grupo cofina...  e como se comprova:

© lixo tóxico do grupo cofina
(clicar na imagem para ampliar)



"disse!"